Como a eventual alta de juros nos EUA pode impactar seus investimentos

Mudança na política econômica americana pode causar uma série de efeitos negativos no Brasil

Jerome Powell, o presidente do Fed, o banco central dos EUA (Foto: Fed/divulgação)

O juro perto de zero nos Estados Unidos, e a decorrente presença de dólares no Brasil, pode estar com seus dias contados. Nesta quarta-feira (3), o Fed (banco central dos EUA) anunciou que irá dar início ao tapering, redução de compras de títulos como forma de estimular a economia. Por enquanto, os juros americanos permanecem intactos, entre 0 e 0,25%, mas o mercado teme que a inflação no país force um aumento nas taxas já em 2022.

“Nossa decisão hoje de começar a reduzir nossas compras de ativos não implica qualquer sinal direto em relação à nossa política de taxas de juros. Continuamos a articular um teste diferente e mais rigoroso para as condições econômicas que precisam ser atendidas antes de aumentar a taxa de fundos federais [taxas básicas de juros]”, afirmou Jerome Powell, presidente do Fed.

A premissa de manter o juro próximo de zero depende da inflação. O Fed avalia que a alta de preços nos EUA é temporária e fruto de problemas pontuais, como gargalos em algumas indústrias.

“Se virmos sinais de que a trajetória da inflação, ou as expectativas de inflação de longo prazo, estão se movendo material e persistentemente além dos níveis constantes de nossas metas, usaremos nossas ferramentas para preservar a estabilidade de preços”, disse Powell.

Ou seja, se a inflação americana se mostrar persistente como a brasileira, os juros por lá também vão ter que subir. Esse cenário tende a não ser nada bom para o Brasil. Dependendo de quanto o juro subir por lá, investidores estrangeiros podem reduzir a presença no Brasil para investir mais em renda fixa americana, que é mais segura.

Uma das razões para a presença de dólares no nosso país é justamente a grande diferença entre juros brasileiros e o de países desenvolvidos, que estão todos próximos de zero enquanto a Selic está a 7,75% com perspectiva que vá a 10,25% em 2022.

Quando o dinheiro rende bem mais no Brasil, uma operação conhecida como carry trade fica mais rentável e atrativa. Nela, se pega um empréstimo em um país de juro baixo, como os Estados Unidos, e o investe em um país de juros altos, como o Brasil. Com isso, mais dólares entram no país, o que reduz a taxa de câmbio.

Por mais que os juros no Brasil ainda continuem mais altos do que nos EUA, a vantagem dessa operação reduz significativamente porque, como o nosso país é visto como de alto risco, os estrangeiros só topam entrar com dinheiro aqui por um retorno muito elevado.

“O Brasil é visto como um país de risco excessivo. Se tivermos surpresa na inflação nos EUA, com juros mais altos mais cedo, esse fluxo para o Brasil pode piorar. E esse cenário pode acontecer no meio do ano que vem”, diz João Leal, economista da Rio Bravo.

Fonte:B3

Em setembro, estrangeiros retiraram US$ 916 milhões de investimentos no Brasil [ações, fundos de investimento e títulos públicos], segundo os últimos do Banco Central brasileiro. É o primeiro mês com saldo negativo desde março deste ano, período marcado pela piora na pandemia de Covid-19 no Brasil.

Assim como março, setembro também foi negativo para investimentos, com queda de 6,57% do Ibovespa, principal índice acionário do país. Nesse mês, as manifestações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no feriado de 7 de setembro e a crise da Evergrande derrubaram os ativos locais.

“O estrangeiro é bem importante em aberturas de capital e no financiamento de dívida pública, além de investimento direto”, afirma Leal.

Ele diz que a saída não é por conta do tapering ou pela possibilidade de juros mais altos nos EUA e que a participação de estrangeiros na Bolsa de Valores tem aumentado. Já os investidores brasileiros se mostram mais cautelosos.

Segundo dados da B3, a entrada de dinheiro estrangeiro na Bolsa brasileira é positiva em R$ 85,6 bilhões neste ano. Após saída de R$ 3,6 bilhões em setembro, entraram R$ 12,4 bilhões em outubro.

Apesar do fluxo positivo, as perspectivas não são das melhores. A eleição presidencial e a possível alta de juros nos EUA deixa o cenário negativo para a renda variável brasileira.

“Apesar do juro local alto e do real desvalorizado, o estrangeiro não deve voltar com intensidade. O câmbio não vai arrefecer porque risco doméstico não vai arrefecer tão cedo”, diz Leal.

Ele também cita a pressão sobre as commodities, que tem sofrido com a economia chinesa. Além da crise Evergrande, o país tem mostrado um comprometimento maior com metas climáticas. O Brasil é um dos maiores exportadores dessas matérias-primas para o país asiático.


Você também pode gostar
Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 07h47
Maior parte das ações na Bolsa acumula queda desde início de 2021

Das 100 ações do IBrX, 64 têm perda no período

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Valor Econômico Atualizado em 16.maio.2022 às 20h10
Magazine Luiza reverte lucro e tem prejuízo de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre

Rede afirma que o resultado reflete o aumento de despesas financeiras no período

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 20h04
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 19h58
Twitter tem sétimo dia de queda e recua 8,2% em NY em meio a incertezas de aquisição

Elon Musk disse que as negociações estão suspensas até ter mais dados sobre a atuação de contas falsas na plataforma