Buffett sobre bitcoin: ‘tento evitar coisas estúpidas, ruins ou que me fazem parecer mal’

A crítica do megainvestidor foi feita em conferência com acionistas de Omaha, nos Estados Unidos

Mercado de criptos enfrenta fortes perdas nesta semana (Foto: Art Rachen/Unsplash)

Warren Buffett disse que se mantém contrário ao investimento em bitcoin e outras criptomoedas, já que, segundo ele, é um ativo que não produz nada, só depende que um investidor pague mais do que o anterior para subir de preço.

“Se as pessoas nesta sala fossem donas de todas as fazendas nos EUA e oferecessem 1% ao nosso grupo eu assinaria um cheque. Se vocês dissessem que são donos de 1% dos apartamentos, eu compraria também. Mas o bitcoin não. A única coisa que eu poderia fazer com um bitcoin seria vendê-lo de volta”, defendeu o fundador da Berkshire Hathaway, na conferência com acionistas de Omaha no sábado (30).

O vice-presidente da Berkshire, Charlie Munger, foi além. Para ele, o presidente chinês Xi Jinping estava certo ao banir as criptomoedas do país. “Eu tento evitar coisas estúpidas, ruins ou que me fazem parecer mal, e o bitcoin faz as três coisas”, disparou.

Futuro da Berkshire

O vice-presidente da Berkshire Hathaway, Charlie Munger, disse que a cultura da empresa vai durar muito ainda depois que ele e o presidente da companhia, Warren Buffett, partirem. Ainda na conferência com acionistas, Buffett fez questão de lembrar que há outros gestores comprando ativos pela empresa.

“Eu vejo manchetes todos os dias falando que Buffett está comprando alguma coisa, quando é a Berkshire que fez isso. Algumas vezes eu nem sei do que se trata”, brincou. Buffett usou a confusão que existe entre ele e sua empresa para dar sua opinião a respeito de companhias que se posicionam politicamente.

“Posicionar-se politicamente sobre qualquer assunto deixa, com mais facilidade, as pessoas bravas do que felizes. O melhor é não falar nada para não fazer um monte de gente da sua organização encarar as consequências de algo que não fizeram”, afirmou.

O megainvestidor admitiu ainda que está aumentando sua participação na produtora de videogames Activision Blizzard, recentemente comprada pela Microsoft. De acordo com ele, a Berkshire comprou US$ 1 bilhão em ações da Activision no quarto trimestre de 2021 sem saber que a empresa seria adquirida e que desde que o negócio saiu a US$ 95 por ação tem aumentado essa participação, que já chegaria a 9,5%.

Munger, por sua vez, falou sobre os riscos envolvidos em fazer investimentos na China, que reconhecidamente intervém no mercado de ações e nas empresas. “Há mais dificuldades em lidar com negócios na China do que nos EUA. O motivo pelo qual eu invisto na China é porque consigo chegar a empresas melhores a preços mais baixos, mas todos estão mais preocupados com a China agora do que estavam antes.”

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente