Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Foto: Pexels

Os mercados de ações asiáticos encerraram a sexta-feira em alta, apesar da queda no dia anterior em Wall Street, com os investidores reagindo à decisão do Banco Central da China (PBoC, na sigla em inglês) de cortar a taxa de empréstimo de cinco anos (LPR, na sigla em inglês), que é referência para hipotecas residenciais, pela segunda vez neste ano em uma tentativa de reanimar o mercado imobiliário no país.

Ao final da sessão regular, a Bolsa de Xangai encerrou em alta de 1,60%, aos 3.147 pontos, com a decisão do PBoC sinalizando um movimento para reforçar as vendas fracas de imóveis na China. Já a Bolsa de Hong Kong fechou com valorização de 2,96%, aos 20.717 pontos, impulsionada pela alta nas ações dos setores de saúde e de tecnologia.

Para Julian Evans-Pritchard, da Capital Economics, o corte na LPR acompanhado da manutenção na taxa de empréstimo de um ano, que afeta mutuários comerciais, sugere que Pequim está tentando manter uma flexibilização direcionada e não se deve esperar estímulos monetários em larga escala. “A redução de hoje foi uma ajuda ao mercado imobiliário para impulsionar as vendas de moradias, que foram de mal a pior recentemente”, disse, em relatório.

Ainda entre as praças asiáticas, o índice Nikkei 225, em Tóquio, subiu 1,27%, aos 26.739 pontos, analisando o aumento da inflação ao consumidor no Japão para o maior nível desde 2015, ao subir 2,1%, ficando acima da meta de 2% do BC japonês (BoJ, na sigla em inglês) pela primeira vez desde 2008.

Ainda assim, é improvável que o BoJ altere sua política monetária ultrassuave de baixa taxa de juros, devido à fraqueza da economia. Com “o PIB ainda não superando o nível pré-pandemia e o crescimento salarial ainda moderado, a inflação não deve convencer o BC do Japão de que é necessária uma política monetária mais apertada”, disse Marcel Thieliant, também da CapEcon, em comentário.

Nos demais mercados da região Ásia-Pacífico, a Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, fechou em alta de 1,81%, aos 2.639 pontos. Na Austrália, a Bolsa de Sydney cresceu 1,15%. Os negócios na Nova Zelândia e no sudeste asiático permaneceram fechados devido a um feriado.

De um modo geral, os investidores estão atentos à perspectiva de aumento da taxa de juros pelo Federal Reserve, aos desdobramentos da guerra na Ucrânia e à desaceleração econômica chinesa, o que vem elevando o desconforto nos negócios com risco. “É improvável que o fundo do poço tenha sido atingido, dado o aperto das condições financeiras à frente”, disse Tan Boon Heng, do Mizuho Bank.

Ontem, os três índices acionários americanos fecharam em baixa, sendo que o S&P 500 segue próximo ao território de “mercado de baixa” (bear market”). O índice referencial em Nova York caiu 18,7% em relação à alta recorde de janeiro e, portanto, está perto do declínio de 20% que define um mercado em baixa. “A realidade pode ser mais dura do que as expectativas”, finaliza o analista do banco japonês, em relatório.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 18h49
Ibovespa fecha semana em baixa de 1,15%; dólar alcança maior valor desde fevereiro e sobe 2,13% na semana

Moeda americana voltou a superar R$ 5,25 e tem 4ª semana consecutiva de alta frente ao real

Papo de Finanças Publicado em 24.jun.2022 às 17h04 Duração 8 min.
Como ter segurança nos investimentos?

Você está se sentindo aflita com tanta instabilidade na economia? Nina Silva explica o que fazer em momentos tão tensos

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

JOTA Publicado em 24.jun.2022 às 12h39
Projeto transforma créditos de ICMS em ativos virtuais para negociação

Proposta tenta incentivar as exportações no país; especialista afirma que projeto é importante, mas ainda imaturo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 11h46