Bolsa começa novembro em recuperação e sobe 2%; dólar vai a R$ 5,67

A baixa adesão à paralisação dos caminhoneiros deixou investidores mais tranquilos nesta segunda (1º); Na COP26, Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente, anuncia novas metas para combater aquecimento global

Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente, fala do auditório da Confederação Nacional da Indústria, a CNI, em Brasília, e espelhado no estande do governo brasileiro montado na COP26, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), em Glasgow, na Escócia (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

A baixa adesão à paralisação dos caminhoneiros, sem bloqueios em estradas federais, deixou investidores mais tranquilos nesta segunda-feira (1º), o que abriu espaço para um início de recuperação da Bolsa de Valores brasileira.

O Ibovespa, principal índice acionário do Brasil, subiu 1,98%, aos 105.550,86 pontos. Em outubro, o indicador acumulou queda de 6,7%.

Nesta segunda, as ações da Petrobras (alta de 2,75% nas preferenciais) e de bancos foram o destaque positivo, com a alta do petróleo e às vésperas da divulgação dos balanços do terceiro trimestre do setor bancário.

O real, porém, segue pressionado. O dólar comercial fechou em alta de 0,40%, a R$ 5,67, nesta segunda. O turismo está a R$ 5,850. A moeda brasileira está condicionada ao cenário fiscal do país, que segue indefinido à espera da PEC dos Precatórios, que visa desenhar o financiamento do Auxílio Brasil.

Na terça (2), o mercado financeiro local permanece fechado pelo feriado de Finados, o que já reduziu o volume de negócios nesta segunda.

Reajuste nos combustíveis

Segundo o presidente Jair Bolsonaro, a Petrobras irá reajustar o preço dos combustíveis mais uma vez em 20 dias.

Em entrevista a jornalistas na Itália, Bolsonaro criticou a política de preços da estatal e voltou a defender o “papel social” e um “lucro não muito alto” da companhia.

A última alta nos combustíveis foi feita no dia 26 de outubro, elevando o preço da gasolina em 7% e o do diesel em 9,15%. Os aumentos visam equiparar os valores de venda da petroleira às refinarias com os preço médio do mercado internacional, que também tem subido.

COP26

Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente, anunciou nesta segunda que o Brasil tem novas metas para o combate ao aquecimento global.

O novo compromisso, apresentado à 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26), é reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 50% em 2030 – a meta anterior era de 43%. Leite ainda afirmou que o país se comprometerá a zerar as emissões líquidas até 2050.

O ministro falou sobre as porcentagens, mas não passou outros números e nem apresentou metas a curto prazo. O governo também anunciou que vai antecipar a meta de zerar o desmatamento ilegal de 2030 para 2028, e alcançar uma redução de 50% até 2027.

Com reportagem de Isabella Carvalho


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção