Black Friday e Natal podem salvar os resultados das varejistas?

Veja se hora de comprar ou vender as ações de Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e Americanas (LAME4 e AMER3)

Entregador do Magazine Luiza; grandes varejistas se preparam para Black Friday e Natal (Foto: Edilson Dantas / Agencia O Globo)

As ações de varejistas têm sido o destaque dos últimos pregões da Bolsa de Valores brasileira. Esta semana, o Ibovespa renovou sua pontuação mínima do ano no pregão de quarta-feira (17). Ao cair cerca de 1,70%, o principal índice de ações da B3 chegou aos 102.551 pontos, agravando a mínima de 102.835 pontos registrada em 04 de novembro.

Todo esse cenário, que se mostra prejudicial para a economia neste ano e no próximo, afunda um setor em específico do índice: o das varejistas. As quatro empresas que mais desabam no Ibovespa em 2021 são, dados até quarta-feira:

  • Lojas Americanas (LAME4): desvalorizou 78,01% no ano;
  • Via (VIIA3): perdeu 65,84% de valor em 2021;
  • Magazine Luiza (MGLU3): desvalorizou 62,93%;
  • Americanas (AMER3): derreteu 56,96% em 2021.

A avaliação dos analistas é de as companhias podem voltar a subir com uma melhora na confiança dos consumidores. Mas se as vendas ficarem abaixo das expectativas, o investidor do varejo pode se decepcionar.

Com a chegada das maiores datas comerciais do ano, a Black Friday e o Natal, há uma mistura de otimismo e apreensão. O que o investidor pode esperar do setor nos próximos meses? É hora de comprar ou vender ações como Magazine Luiza (MGLU3), Via —antiga Via Varejo— (VIIA3) e Americanas (LAME4 e AMER3)?

Segundo analistas, apesar de terem barateado bastante, ainda não é hora de comprar ações de varejista, dado que o cenário não deve melhorar tão cedo, mesmo com a Black Friday e as festas de fim de ano.

“No médio prazo, considerando eleições em 2022, o cenário para as varejistas é negativo. A alta do dólar e a inflação pressionam a margem e nem sempre elas conseguem repassar esse aumento de custo para o consumidor. A Black Friday deve aumentar a receita do ecommerce, mas a margem vai estar pressionada pelos descontos agressivos que as marcas vão dar. Vão ser datas benéficas, mas não vai ser o que vai salvar o resultado”, afirma Rodrigo Crespi, analista da Guide Investimentos.

Segundo cálculos do BTG Pactual, na média, a margem de varejistas caiu 40 pontos-base no terceiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2020.

Resultado líquido no 3T21Variação em relação ao 3T20
Magazine Luizalucro de R$ 22,6 milhões-89,5%
Viaprejuízo de R$ 638 milhões-192,5%
Americanaslucro de R$ 240,5 milhões*568,3%
*o resultado da Americanas foi beneficiado por efeitos tributários; sem eles, teria prejuízo de prejuízo de R$ 6 milhões no período.

As previsões para os resultados de Magalu, Americanas e Via tem sido revisada para baixo, assim como os preços-alvo de compra desses papéis. Assim, o trio que brilhou em 2020 com o crescimento exponencial do ecommerce registra fortes quedas, de cerca de 60% cada, na Bolsa neste ano.

“O principal motivo [da forte desvalorização] é a deterioração do cenário macroeconômico, com a economia crescendo menos que o previsto. A alta na taxa de juros pressiona o custo de capital das empresas, levando a previsões de queda na margem”, diz Crespi.

As ações de Magalu, Americanas e Via caíram tanto que estão no nível de 2019, mesmo com o mercado acima do que era há dois anos. Com base nestes cálculos, o Credit Suisse vê um potencial de alta de 35% para as ações da Americanas e de 57% para sua controlada, Lojas Americanas. Já Magazine Luiza tem chances de subir 33% e Via, 43%.

“Não existe urgência para comprar, mas que acreditamos que o mercado deve avançar bem mais na penetração de ecommerce e também entrar em um ambiente com diversas iniciativas diferentes, podendo levar a um crescimento solido para os próximos anos”, afirmam os analistas do Credit Suisse em relatório.

Crespi, da Guide, também não recomenda a compra no momento. Para quem já tem os papéis na carteira, a dica é segurá-los e esperar uma valorização. Caso o investidor precise acessar o recurso investido em avrejistas, é provável que ele realize um prejuízo.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

2 min
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

3 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

3 min
Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

4 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 06h32
Governo quer registrar venda da Eletrobras nas bolsas de NY e SP na próxima semana

Após aprovação do TCU, objetivo é tentar acelerar o processo e garantir a privatização da empresa até 15 de junho

4 min
Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

4 min