Bitcoin desaba mais; analistas dizem que não é hora de ‘virar a mão’ e comprar

Moeda digital acumula desvalorização de quase 30% em uma semana

Foto: Pexels

As principais criptomoedas desabaram novamente nesta terça e perderam a marca de US$ 1 trilhão de capitalização de mercado na esteira do “sell-off” de ações e mercados de risco em geral.

Maior das criptomoedas, o bitcoin (BTC) segue em baixa pelo nono dia seguido, ameaçando romper a faixa de US$ 20 mil, apesar da relativa recuperação dos ativos de risco em um dia marcado pela decisão de política monetária do Federal Reserve, o Fed banco central dos EUA.

Desde o final da semana, o bitcoin perdeu sucessivos suportes técnicos, descendo de US$ 30 mil para US$ 20 mil, na pior sequência de desvalorização de sua história, com investidores de diferentes portes reduzindo sua exposição à criptomoeda.

Durante os negócios na Ásia, o bitcoin chegou a descer até US$ 21.046, mas surgiram compradores e logo depois o token voltou a ser negociado a US$ 22 mil.

Entre as demais criptomoedas, o ether recuava 2,8%, negociado a US$ 1.164,80. Em reais, o bitcoin subia 1,7% a R$ 113.145,80 e o ether tinha alta de 4,8% a R$ 6.058,86.

Desde sexta-feira, operadores do mercado de criptoativos relataram fortes vendas por parte de investidores institucionais, como hedge funds, que tiveram de se desfazer de posições mais arriscadas em ações de tecnologia e criptoativos nas vésperas da reunião de política monetária do Federal Reserve.

Para Ayron Ferreira, chefe de análise da gestora Titanium, especializada em criptomoedas, o bitcoin parece caminhar para uma região de sobrevenda, entre US$ 20 mil e US$ 22 mil. Ele acredita que os principais drivers da semana seguirão com o aperto monetário nos EUA, dados de inflação e atividade econômica, além de desenvolvimentos do setor cripto como a proibição de mineração em Nova York.

“Vemos uma reversão deste cenário somente quando as condições econômicas chegarem a um ponto que leve o Fed a pausar o aumento de juros. Por enquanto, este ponto ainda parece estar longe de ser alcançado. Enquanto isso, os ativos de risco tendem a continuar pressionados”, disse.

Na avaliação de Luiz Pedro Andrade, analista de criptoativos da Nord Research, o mercado deve continuar cauteloso e os preços de criptomoedas e ações de empresas do segmento devem continuar pressionados. “É hora de manter a calma, ter cautela nos investimentos e de não virar a mão porque esse ´bear market´ tem um caminho longo a ser seguido”, disse.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico

A Inteligência Financeira é um canal jornalístico e este conteúdo não deve ser interpretado como uma recomendação de compra ou venda de investimentos. Antes de investir, verifique seu perfil de investidor, seus objetivos e mantenha-se sempre bem informado.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 17h20
Dólar fecha em alta nesta quinta e avança 10% em junho

Com o resultado desta quinta, o dólar acumulou alta de 10,13% em junho. No ano, ainda tem desvalorização de 6,14% frente ao real

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia