Banco Inter: o que explica a recuperação apesar da queda de 64% no valor da ação nos últimos 6 meses

As units do Banco Inter (BIDI11) foram o destaque do Ibovespa no pregão desta sexta-feira (7)

Foto: Divulgação Inter

As units do Banco Inter (BIDI11) foram o destaque do Ibovespa no pregão desta sexta-feira (7).

O papel liderou as altas do índice. Quem lê esta notícia e tem o papel na carteira pode ficar feliz, mas só se ficou por fora do mercado nos últimos dias. Mesmo com a recuperação de hoje, o papel cai 5,95% no ano que começou na última segunda-feira para a Bolsa. 

Não é de hoje que os papéis do banco digital vão mal na Bolsa. Nos últimos seis meses, BIDI11 acumula queda de mais de 64%, uma notícia ruim para uma ação de crescimento. 

O tombo recente do papel não pode ser explicado por fatos relevantes ou comunicados, mas por um burburinho do mercado. As conversas de bastidores dão conta que o fundo Ponta Sul, que tinha cerca de 12% de participação no banco digital, vendeu parte de suas cotas. 

O portal Mais Retorno, especializado em fundos de investimento, publicou que o gestor do Ponta Sul, Flávio Calp Gondim, conhecido como Monstro do Leblon, perdeu R$ 8,9 bilhões com a queda das ações

Também pesa sobre o papel a expectativa de aumento de juros antes do esperado pelo banco central norte-americano, o Federal Reserve (Fed). Isso porque o banco está em crescimento e a Bolsa é um importante canal de capitalização. Um mercado em baixa ou estagnado é ruim para esta e outras ações da Bolsa. 

Phil Soares, chefe de análise de ações na Órama, e João Vitor Freitas, analista da Toro Investimentos, explicam que as empresas de crescimento são muito afetadas pelas expectativas de alta nos juros. “A maior parte do valor da empresa está lá no futuro, num horizonte longo. A geração de caixa não é grande, mas há a expectativa de que ela tenha maior capacidade no futuro e com alta dos juros o desconto no fluxo de caixa é maior”, diz Freitas.

As expectativas sobre os juros nos Estados Unidos também ajudam a explicar a recuperação ensaiada nesta sexta-feira. Dados sobre a criação de vagas de emprego nos Estados Unidos vieram abaixo do esperado pelo mercado, o que pode fazer bem à Bolsa brasileira, já que uma grande aceleração do mercado de trabalho no país serviria de argumento para o Fed retirar os estímulos à economia mais cedo que o esperado. 


Você também pode gostar
Entrevista da Semana Publicado em 25.maio.2022 às 10h08 Duração 6 min.
Como funciona a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE)?

Anne Dias, editora da IF, entrevista Alex Ibrahim, head de mercados internacionais da NYSE, onde trabalha há mais de 20 anos

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h34
Bolsas europeias e futuros de NY têm alta moderada, antes da ata do Fed

À espera do documento, no pré-mercado em NY, o futuro do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%

Valor Econômico Publicado em 25.maio.2022 às 07h36
Após nova troca, ações da Petrobras caem

Investidor volta a analisar peso político, mas efeito na bolsa foi limitado por ativo ser considerado barato

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 19h58
‘Travamos o bom combate’, disse Coelho, por WhatsApp, em mensagem de despedida

Funcionários relatam clima de falta de rumo com demissão de José Mauro Coelho; indicado para o posto é Caio Paes de Andrade

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h18
ADRs da Petrobras recuam 3,8% em NY com troca no comando e data de corte de dividendos

Os recibos de ações (ADRs) referenciados nas ações ordinárias da Petrobras fecharam em queda de 3,80% na bolsa de Nova York

Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões