Ânima avança mais de 20% após aporte

A Ânima Educação mais de 16%, com suas ações negociadas a R$ 7,92, na cotação registrada às 13h

Foto: Pixabay

A Ânima Educação sobe mais de 20%, com suas ações negociadas a R$ 8,56, na cotação registrada às 17h. A alta vem após a companhia anunciar que recebeu um aporte de R$ 1 bilhão em sua subsidiária Inspiralli, responsável pelas faculdades de medicina do grupo.

A DNA Capital – gestora de fundos especializada em saúde que tem a família Bueno como maior acionista – anunciou o investimento de R$ 1 bilhão por 25% da Inspiralli. Com o aporte, esse braço do grupo educacional, que já se posiciona como o segundo maior no mercado de cursos de medicina, a graduação mais rentável do ensino superior, é avaliado em R$ 5 bilhões.

Os recursos são destinados à expansão orgânica, aquisições e uma entrada mais forte em tecnologia na Inspirali, nome dessa divisão da Ânima que tem 10 mil alunos hoje. Com a deflagração da pandemia e a chegada do 5G, há uma demanda crescente por soluções digitais para telemecidina, cirurgias a distância e simulações de procedimentos médicos dentro de sala de aula.

A DNA Capital, controladora da Dasa e da Viveo, tem forte expertise em saúde, tendo já feito cerca de 20 investimentos em startups voltadas para o segmento.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 10h11
O que Elon Musk deve discutir na passagem pelo Brasil

Bilionário terá encontro com o presidente Jair Bolsonaro e empresários

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%