Fed acelera ritmo de redução das compras de títulos para US$ 30 bilhões por mês

O Fed vai reduzir a compra de títulos privados em US$ 20 bilhões e a de hipotecários em US$ 10 bilhões por mês

Jerome Powell, presidente do Fed (Foto: Fed/Divulgação)

Os economistas do Federal Reserve disseram nesta quarta-feira (15) que reduzirão mais rapidamente os estímulos à economia em face do aumento da inflação e do forte crescimento econômico do país. Assim, encerram um ano desafiador, que pode levar a taxas de juros mais altas em 2022.

Um novo conjunto de análises e projeções econômicas divulgados pelo banco central americano, nesta quarta-feira (15), detalhou um fim mais rápido para a compra mensal de títulos que o Fed (tapering) tem usado durante a pandemia para manter o dinheiro circulando nos mercados e para impulsionar o crescimento.

O Fed vai reduzir a compra mensal de títulos privados em US$ 20 bilhões e a de títulos hipotecários em US$ 10 bilhões, totalizando US$ 30 bilhões por mês. Atualmente, a compra é de US$ 90 bilhões mensalmente. Além disso, anunciou que o tamanho do corte vai sobrar em janeiro, para US$ 40 bilhões dos privados e US$ 20 bilhões dos hipotecários.

O presidente do Fed, Jerome Powell, deu entrevista coletiva após a reunião e disse que “o fortalecimento do mercado de trabalho e as pressões inflacionárias elevadas” levaram o banco central a acelerar as reduções nas compras de ativos.

Os estímulos foram estabelecidos em 2020 para ajudar a sustentar a economia, que estava paralisada pela pandemia de Covid-19.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h25
Ações da Infracommerce têm forte queda após notícia de demissões na empresa

Os desligamentos teriam ocorrido por conta de 'mudanças no orçamento'

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 08h53
Bolsas europeias e futuros de NY são pressionados por dados fracos da China

A atividade econômica na China perdeu força de forma acentuada em abril

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 07h20
China: com lockdowns, produção industrial tem forte desaceleração em abril

Atividade recuou 2,9% na base anual; mercado esperava avanço de 1,0%