O que fazer com seus investimentos com os juros a 10,75% ao ano

Conheça as orientações de especialistas para as aplicações na Bolsa e na renda fixa

Foto: Jorge William/Agência O Globo

O Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) anunciou no início da noite desta quarta-feira (2) um aumento de 1,5 ponto percentual na taxa básica de jurtos da economia, a Selic, para 10,75% ao ano – maior nível desde abril de 2017.

Confira o que os especialistas recomendam fazer com seus investimentos agora:

Renda variável (Bolsa de Valores)

A Selic de volta aos dois dígitos após quatro anos e meio já estava precificada pelo mercado de ações, conforme especialistas consultados pela Inteligência Financeira. A avaliação é que o Banco Central antecipou o ciclo de aperto monetário e a bolsa brasileira sentiu antes a escalada dos juros, levando investidores estrangeiros a retirar capital do país. “Esse fluxo negativo fez com que empresas com excelentes fundamentos, e que não necessariamente são afetadas pelos juros mais altos, caíssem a um patamar muito atrativo de valuation, despertando a atenção de gestores de olho nas oportunidades neste começo de 2022”, diz Pedro Serra, gerente de research da Ativa Investimentos.

O desempenho positivo do Ibovespa no ano, que no fechamento desta quarta era de alta de 5,4%, favorecia principalmente as ações das chamadas blue chips. “O entendimento é que esse movimento continuará sendo favorável para as maiores empresas da Bolsa. Para as exportadoras e ligadas a commodities, a Vale permanece sendo uma boa opção em relação a seus pares. A valorização do minério de ferro também beneficia a companhia. O preço no patamar de US$ 130 a tonelada é excepcional para a empresa, com um retorno excelente para o investidor”, destaca Felipe Paletta, sócio e analista de ações e fundos de investimentos da fintech Monett.

Quem procura boas oportunidades para surfar a onda da Selic em um patamar elevado, os especialistas colocam os papéis do setor financeiro entre os destaques. “A Itaúsa, holding que controla o Itaú, também oferece um potencial grande com a valorização do banco, que tem investido em tecnologia, feito aquisições e tem ido na linha da modernização”, aponta Paletta. “Os juros altos ajudam ainda as seguradoras, como Sul América e BB Seguridade”, cita Serra.

Por outro lado, a perspectiva de que o aperto monetário seja longo é desfavorável para empresas que dependem do crescimento do PIB (Produto Interno Bruto). Essas companhias podem ter mais dificuldade para conseguir empréstimos, veem as dívidas crescer e seus consumidores não conseguem crédito para pagar. “As principais prejudicadas são aquelas ligadas a ciclo econômico, como o setor aéreo, de aluguel de carros e as construtoras. Entre elas, podemos listar Gol, Localiza e MRV”, comenta o profissional da Ativa Investimentos. “A Oi, que depende de uma reformulação estrutural, pode ser prejudicada por essa elevação brusca da taxa de juros no último ano”, acrescenta o sócio da Monett.

As empresas que abriram capital em 2021 e prometiam um crescimento forte também tendem a atravessar um momento duro. A avaliação ainda é que o atual cenário pode inviabilizar muitos IPOs. Felipe Paletta destaca o caso do Nubank. “É uma empresa saudável do ponto de vista operacional, mas a avaliação é que o mercado ainda está pagando muito caro. Já caiu bastante desde o IPO, mas é um modelo de negócio que ainda precisa se provar. Taxa de juros para cima e uma necessidade de forte crescimento geralmente não combinam”, afirma.

Apesar de as perspectivas serem desafiadoras, o investidor pessoa física que busca a renda variável tem ganhado opções para diversificar a carteira e equilibrar os riscos de juros elevados no país. “Temos mais veículos, mais instrumentos principalmente para a internacionalização, como BDRs e ETFs. Isso dá uma pluralidade de opções ao investidor”, completa Paletta.

Renda fixa

Segundo João Cruz, assessor de investimentos da Golden Investimentos, o ciclo de alta de juros caminha para o fim, o que abre uma boa oportunidade de investimentos: os títulos prefixados. “Nos próximos anos, os títulos prefixados devem se valorizar bastante porque eles se valorizam quando juros caírem”, diz Cruz.

Com a Selic a 10,75% ao ano, grande parte da renda fixa fica mais atrativa. O problema, segundo Cruz, é que grande parte desta alta de juros já está no preço. “O que pode impactar o mercado é a ata do Copom, em caso de sinalização de novas altas da Selic”, diz ele.

De acordo com o analista, o patamar atual da taxa pode ser suficiente para controlar a inflação, a menos que os preços do petróleo continuem subindo em caso de escalada do conflito entre Rússia e Ucrânia.
“A renda fixa continua sendo o grande produto, mas títulos ligados à inflação devem render menos porque inflação deve ficar mais controlada”, diz Cruz.

Ele recomenda os CDBs prefixados e os e pós-fixados ligados ao CDI, LCIs e LCAs, que são isentos de Imposto de Renda, e para os investidores mais arrojados fundos multimercados e de crédito privado. As alternativas recomendadas com mais liquidez são LFT e títulos do Tesouro.

Já Marília fontes, sócia da Nord Research, não recomenda os pré-fixados no momento. “Quando se pensa em onde investir agora, sempre temos que olhar pro futuro. Por um lado, eu vejo uma expectativa de a Selic continuar subindo e ir para 12,15%, 12,5% e até 13%, então os títulos pós-fixados vão render cada vez mais. Por outro lado, quando a gente olha a curva de mercado, ela precifica que, eventualmente, já ao longo desse ano e no ano que vem, a Selic vai poder cair rapidamente, o que eu não acho que seja possível. Embora o Banco Central tenha apertado bastante a Selic e a gente já está vendo consequências disso em uma atividade mais fraca, a inflação ainda está muito alta, o que torna difícil o Banco Central começar um ciclo de queda tão rápido quanto o mercado precifica.”

Segundo ela, outro fator de risco é o aumento de taxa de juro americana, que vai começar neste ano. “Assim, produtos pré-fixados e indexados à inflação nesse momento são um risco maior para o investidor porque você não sabe onde vai acabar esse ciclo de aumento de juros [no Brasil e nos EUA] e, principalmente, qual vai ser o impacto da eleição brasileira nessas taxas. Estamos em um momento ainda de muita incerteza, então agora é a hora dos pós-fixados”.

(Com reportagem de Lucas Andrade e Júlia Moura)

Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo