Ibovespa tem quarta semana seguida de queda e tem pior mês desde o auge da pandemia

Bolsa brasileira, como o mercado global, sofreu com o aumento da aversão ao risco no mês

Saguão da B3, Bolsa de Valores de São Paulo (Foto: Divulgação)

O Ibovespa não demonstrou forças para sustentar os ganhos observados na primeira parte da sessão e, pressionado pela piora das bolsas em Nova York, amargou mais um dia de perdas firmes. A aversão global a ativos de risco, que foi uma marca nos negócios no mês de abril, levou a principal referência da bolsa brasileira ao seu pior mês desde o auge da pandemia de covid-19, em março de 2020.

Após ajustes, o Ibovespa fechou o dia em queda de 1,86%, aos 107.876,16 pontos, em dia de volatilidade elevada no mercado local. Nas máximas do dia, o índice marcou 111.819 pontos, em alta de 1,72% e, nas mínimas, foi aos 108.196 pontos, em queda de 1,56%.

Apesar do fechamento negativo, o volume total negociado dentro do Ibovespa hoje foi de R$ 26,69 bilhões, acima da média diária anual, de R$ 23 bilhões. O início da sessão foi marcado pelo alívio provocado pelas autoridades do Partido Comunista da China, que reafirmaram a necessidade de alcançar metas de desenvolvimento econômico e social no país. O enfoque dado pelas lideranças em investimentos em infraestrutura trouxe fôlego a ativos de países exportadores de materiais básicos, como o Brasil.

No entanto, os ventos contrários vindos dos Estados Unidos voltaram a pesar. O Dow Jones fechou o dia em baixa de 2,77%, o S&P 500 recuou 3,63% e o Nasdaq encerrou o pregão em desvalorização de 4,17%. A Amazon registrou um prejuízo surpreendente em seu resultado trimestral divulgado na véspera, o que provocou uma nova rodada de vendas em Wall Street.

Hoje, inclusive, as ações de petroleiras foram poucas das que tiveram uma performance positiva na bolsa. Os papéis da 3R Petroleum ON subiram 2,73% e PetroRio ON ganhou 1,60%, enquanto Petrobras ON e PN subiram 0,03% e 0,07%, respectivamente.

As ações da Vale, que eram destaques positivos na primeira metade da sessão, fecharam o dia em queda de 1,08%, acompanhando a perda de fôlego dos mercados locais. Agentes financeiros ainda demonstram dúvidas quanto à efetividade dos estímulos econômicos da China.

As maiores perdedoras da sessão foram as ações de tecnologia, que acompanharam seus pares em Nova York e terminaram o dia em queda forte. As units do Banco Inter caíram 7,16%, Locaweb ON recuou 6,15%, Magazine Luiza ON perdeu 5,79%, Banco Pan PN recuou 5,26% e Americanas ON cedeu 4,80%.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente