Ibovespa fecha semana em queda com tensão geopolítica

Investidores se preocupam com possibilidade de invasão da Rússia à Ucrânia

B3, em São Paulo (Foto: Divulgação)

Em linha com seus principais pares globais, o Ibovespa vinha buscando uma recuperação no pregão desta sexta-feira (18). Mas a tensão entre Rússia e Ucrânia, também protagonizada pelos Estados Unidos, voltou a pesar no mercado financeiro brasileiro.

Como a Bolsa vai ficar fechada por dois dias por causa do final de semana, os investidores buscaram  proteção caso um conflito estoure quando não puderem mexer em suas aplicações.

O Ibovespa fechou em queda de 0,57%, aos 112.880 pontos. Com as perdas do dia, o Ibovespa acumulou queda de 0,61% na semana e pôs fim à sequência de cinco semanas consecutivas de ganhos. No saldo de fevereiro, a alta ainda é de 0,66%.

O dólar comercial caiu 0,52%, a R$ 5,14. Na semana, a moeda acumulou baixa de 1,93%. Esta é a sexta semana consecutiva de queda do dólar ante o real em um cenário de volta de investimento estrangeiro ao Brasil na busca por juros altos.

Com estoques de petróleo acima do consenso nos EUA e a tensão geopolítica, o preço do combustível oscila em um patamar historicamente alto. Nesta sexta, o contrato do petróleo Brent para abril fechou em alta de 0,61%, a US$ 93,54 por barril, na ICE, em Londres, enquanto o do WTI para março recuou 0,75%, a US$ 91,07 por barril na Bolsa de Mercadorias de Nova York.

Paralelamente, a produção do produto pela Petrobras no Brasil cresceu 6,4% em janeiro, na comparação com dezembro. Foram produzidos, em média, 2,2 milhões de barris diários no mês passado, alta de 2,8% ante janeiro de 2021.

Pesará, nos mercados de commodities e acionário, nos próximos dias, a extensão ou não das tensões na Rússia. Nesta manhã, as ações ensaiam recuperação, diante da possibilidade de um diálogo entre o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, e o ministro das relações exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. Blinken propôs uma reunião diplomática de última hora com seu colega russo na próxima semana que, segundo ele, poderia levar a uma cúpula dos principais líderes para discutir a situação na Ucrânia.

Por outro lado, rebeldes ucranianos pró-Rússia anunciaram uma retirada de civis temendo uma ação do governo da Ucrânia. Os EUA vê o ato com desconfiança, já que pode ser um pretexto para uma invasão russa.

Segundo Fábio Focaccia, diretor de estratégia da Santa Fé Investimentos, o cenário gera muita incerteza nos mercados. “Estamos preocupados com a possível invasão por parte da Rússia. É um cenário difícil de se trabalhar por não sabermos ao certo o que está acontecendo”.

Enquanto isso, países mais arriscados têm pago o preço da incerteza. “Os mercados emergentes estão sofrendo com a volatilidade injetada pelas tensões geopolíticas entre EUA e Rússia e pela inflação global”, alerta a equipe de pesquisa para mercados emergentes do Barclays. “Os emissores soberanos de mercados emergentes adiaram seus programas de emissão devido à volatilidade do mercado”, emenda os profissionais. Segundo eles, a precificação dos mercados de juros de países da região é muito pessimista e é provável que as moedas emergentes permaneçam voláteis.

O Brasil, porém, ainda tem um forte fluxo de investimento de estrangeiro, que veem os ativos locais como baratos. “O Brasil estava muito defasado e o real ainda tem espaço para se fortalecer. Estamos cautelosamente otimistas com o país”, diz Focaccia.

Mas não só as tensões em relação à Ucrânia têm ajudado a dar o tom dos mercados. A ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) fortaleceu a chance de um aperto de 0,5 ponto em março.

Empresas

Entre as companhias abertas, o destaque da semana foi a divulgação de resultados trimestrais.

Nesta sexta, a Rumo informou que registrou prejuízo líquido de R$ 384 milhões no quarto trimestre do ano passado, revertendo o lucro de R$ 3 milhões do ano anterior, reflexo da quebra da safra de milho em 2021. Já a Taesa registrou lucro líquido de R$ 423,1 milhões no quarto trimestre de 2021, um recuo de 44% sobre o lucro líquido de R$ 750,1 milhões registrado no quarto trimestre de 2020.

Cielo dispara

A maior alta do Ibovespa no pregão foi da Cielo, que informou que sua subsidiária integral Cielo USA celebrou, nesta quinta-feira (17), contrato para a venda da totalidade das ações da Merchant E-Solutions para SamIAcquisition, uma subsidiária da Integrum Holdings. Segundo o fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o valor total da transação é de até US$ 290 milhões. As ações ordinárias da credenciadora tiveram ganhos de 12,30%, a R$ 2,83.

(Com Valor PRO, o serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico)


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

Manhã Inteligente Publicado em 01.jul.2022 às 11h11
Queda generalizada nas Bolsas de Valores do Brasil e EUA, PEC aprovada pelo Senado

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta sexta (1)

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década