Estados pedem que Gilmar Mendes suspenda decisão de Mendonça sobre ICMS de combustíveis

Argumento é o de que a decisão de Mendonça interferiu no processo que é relatado por Mendes

(Foto: Justus Menke/Unsplash)

Representantes de 26 estados pediram ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes que suspenda a eficácia da decisão proferida na semana passada pelo ministro André Mendonça, determinando a redução das alíquotas de ICMS dos combustíveis. Os estados alegam que a decisão de Mendonça (na ADI 7164) interferiu no processo que é relatado por Gilmar Mendes (ADPF 984).

A liminar do ministro Mendonça da semana passada avança sobre o processo que é relatado por Mendes ao tratar da seletividade do ICMS e da essencialidade dos combustíveis. E esse choque de decisões pode fazer com que a decisão de Mendonça seja anulada, ao menos em parte.

Mendes aguardava provocação dos estados para decidir o que fazer na ADPF 984. Na semana passada ele negou a liminar para suspender todas as leis estaduais e distrital que aplicam alíquotas de ICMS para os combustíveis em percentual acima do definido para operações em geral. Mas, diante da decisão de Mendonça, deve rever seu posicionamento e pode levar o tema mais rapidamente a plenário ou conceder uma liminar para suspender a liminar de Mendonça, ao menos na parte que trata da essencialidade dos combustíveis.

Ao ser designado o relator da ADPF 984, proposta pela AGU, Mendes frustrou os planos do governo, que esperava que o tema da essencialidade dos combustíveis ficasse com Mendonça, ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). Inclusive, a AGU chegou a fazer esse pedido, que não foi atendido.

Decisão de Mendonça

A decisão de Mendonça questionada pelos estados se deu na última sexta-feira (17/6). O ministro determinou que as alíquotas do ICMS dos combustíveis devem ser uniformes em todo território nacional a partir de julho, além de estipular uma série de medidas que devem ser observadas pelos estados e pela Petrobras.

Mendonça também suspendeu a eficácia do Convênio ICMS 16/2022 do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). Até que uma nova norma seja editada pelo Confaz a respeito do ICMS, conforme os termos da liminar, a base de cálculo do imposto para os combustíveis passa ser fixada pela média de preços praticados nos últimos 60 meses. A medida se baseia no artigo 7º da Lei Complementar (LC) 192/2022, que trata do óleo diesel, para os demais combustíveis, com efeitos a partir do dia 1º de julho de 2022.

O ministro também determinou que a Petrobras deve explicar ao Supremo sua política de preços e reajustes dos últimos 60 meses. O ministro requisitou “minuciosas informações” que devem ser prestadas pela empresa no prazo de cinco dias, incluindo “cópia de toda documentação (relatórios, atas, gravações em áudio ou vídeo de deliberações etc) que subsidiou suas decisões de reajustes neste período”.

(Por Felipe Recondo, diretor de conteúdo do JOTA em Brasília)

Esta matéria foi produzida pelo JOTA, uma startup de jornalismo que tem a missão de trazer previsibilidade e transparência para as instituições brasileiras. O JOTA publica notícias e análises sobre política, o Judiciário, projetos de lei, direito tributário e regulações que afetam a economia e o mercado financeiro.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais