Varejistas têm fim de ano desafiador: no acumulado de 2021, as ações de Americanas caem 58%, Magazine, 75% e Via, 69%

Investidores têm revisado suas carteiras de olho nas informações sobre desaceleração na taxa de crescimento de lojas e do digital no quarto trimestre

Mercados acumulam perdas com alta de juros (Foto: Pixabay)

O desempenho das ações dos principais varejistas do país revela que 2021 tem sido um ano desafiados. No acumulado do ano, as ações de Americanas caem 58%, Magazine, 75% e Via, 69%. Em função disso, as reuniões públicas com analistas e investidores das principais varejistas de eletrônicos não acontecerão neste mês.

O tradicional encontro anual teria importância a mais neste ano considerando o contexto de maior pressão sobre essas companhias — num cenário de juros e inflação em crescimento — que tem levado o mercado a buscar mais informações sobre o desempenho das redes nos últimos meses.

A Americanas, que no ano passado fez o seu encontro no dia 31 de dezembro, informa que ele ocorrerá apenas em 2022, mas ainda sem data definida, disse a empresa ao ser perguntada hoje sobre o assunto.

No Magazine Luiza, que historicamente faz a sua reunião pública entre a primeira e a segunda semana de dezembro — e do qual há anos participam a alta cúpula do grupo e membros do conselho de administração — informou que o encontro não será neste mês e acontecerá provavelmente em janeiro, também ainda sem data. Em janeiro, acontece a liquidação anual da companhia, uma das datas comerciais mais fortes da empresa, quando ela desova estoques e pode apresentar dados de vendas do período.

Na Via (Casas Bahia e Ponto), a nova gestão, no grupo desde 2019, não tem feito reuniões anuais no fim do ano — o encontro de 2021 foi em maio. Por isso, já não havia programação para novo contato neste fim de ano. Quando a empresa era controlada pelo GPA, os encontros ocorriam em dezembro.

Informações no mercado sobre desaceleração na taxa de crescimento de lojas e do digital, no quarto trimestre, em relação ao mesmo intervalo em anos anteriores — além do cenário de alta de juros e da inflação — têm levado investidores a ajustar suas posições, se desfazendo de certos papéis por conta do aumento na aversão a risco no curto prazo. Além disso a saída de fundos de papéis com maior liquidez, entre eles, de varejistas on-line, também pesa nesse contexto.

Questionamentos do mercado acabam sendo levados nesses encontros, especialmente sobre projetos e estratégia geral, mas executivos acabam comentando percepções do cenário atual. Nesta semana, a Americanas informou fez uma teleconferência para tratar dos próximos passos na reestruturação envolvendo Lojas Americanas e Americanas, e analistas buscaram saber sobre o desempenho das vendas em novembro. A empresa não fez comentários a respeito — disse que só falará na teleconferência do quarto trimestre, em fevereiro.

Com reportagem do Valor Econômico.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 19h14
NY: Empresas de tecnologia recuperam perdas; ações de aéreas americanas fecham em alta

Dados positivos de vendas no varejo nos EUA e sinais de reabertura na China alimentam otimismo

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h48
Ação da Hapvida despenca 16% e lidera perdas do Ibovespa

Itaú BBA tem recomendação "outperform" para o papel, com preço-alvo de R$ 17 para o fim de 2022

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h27
Ibovespa opera em alta e busca retomar marca de 110 mil pontos

Bolsa busca quinto dia de ganhos, em meio ao alívio no exterior

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 07h47
Maior parte das ações na Bolsa acumula queda desde início de 2021

Das 100 ações do IBrX, 64 têm perda no período