Vale cria braço de capital de risco para estimular inovação em mineração

Vale Ventures, comandada por Viktor Moszkowicz, irá destinar US$ 100 milhões para investir em startups ao redor do mundo

Viktor Moszkowicz, diretor da Vale Ventures. Foto: divulgação

A Vale, a segunda maior produtora de minério de ferro do mundo e uma das maiores fornecedoras de níquel, criou um braço de capital de risco. O objetivo da Vale é apoiar startups cujo foco é o desenvolvimento de inovações para desafios de mineração e metais.

A Vale Ventures, como foi batizado o novo braço de capital de risco da Vale, começa com um orçamento de US$ 100 milhões para investir em empresas envolvidas em iniciativas de mineração sustentável. A unidade irá fornecer investimento inicial para startups em todo o mundo, com o objetivo de deter de 3% a 5% de participação nas empresas.

“Faremos parte de um grupo de investidores trabalhando para o sucesso dessas startups”, disse o chefe da Vale Ventures, Viktor Moszkowicz, em entrevista à Bloomberg.

O desembolso da Vale será suficiente para construir uma carteira inicial de investimentos em cerca de cinco anos, gerando retorno financeiro e estratégico, disse o executivo. A primeira startup do portfólio da Vale é a Boston Metal, empresa focada em tecnologia de descarbonização do aço que conta com o apoio de fundos de capital de risco de tecnologia limpa, mineradoras e usuárias de aço. A Vale investiu US$ 6 milhões na empresa norte-americana em fevereiro de 2021.

O impulso de capital de risco da Vale segue iniciativas semelhantes adotadas por rivais, incluindo as anglo-australianas BHP e Rio Tinto. A Vale quer ter acesso a oportunidades de negócios e tecnologias inovadoras com potencial para serem usadas em suas operações, em um esforço para se diferenciar em suas práticas ambientais.

A Vale tem quatro temas principais que vão orientar a seleção do portfólio da Vale Ventures: descarbonização, mineração ‘zero-waste’, tecnologia que muda as operações de mineração e metais de transição energética.

O último tema visa aumentar a oferta e a demanda dos principais metais necessários para apoiar a mudança de combustíveis fósseis para energia menos poluente.

As startups que estão desenvolvendo baterias que usam metais produzidos pela Vale estão no radar, assim como a tecnologia que cria “minas urbanas”, locais onde os metais descartados podem ser reciclados, disse Moszkowicz.

Com informações da Bloomberg.

Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

Glossário IF Publicado em 30.jun.2022 às 17h10
O que é o balanço patrimonial ou contábil de uma empresa?

Ele serve para mostrar se uma empresa está saudável ou não. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 14h23