Os planos de Fábio Barbosa para a Natura

Executivo substitui Roberto Marques no comando da companhia

Foto: Agência O Globo

O executivo Fábio Barbosa vai assumir o comando da Natura com a responsabilidade de recuperar as margens e os resultados da companhia. Há três meses, os cofundadores da gigante nacional de cosméticos — Guilherme Leal, Luiz Seabra e Pedro Passos — começaram a negociar a troca de comando da empresa.

“Eu sempre fui muito atuante [no conselho]. Há pelo menos seis meses, a companhia já vinha discutindo a mudança de estratégia”, contou o executivo ao Valor. Barbosa, que é sócio da Gávea Investimentos e conselheiro da Ambev e Itaú Unibanco, e aceitou o convite dos fundadores para assumir a presidência-executiva do grupo.

Entre as estratégias que serão colocada em prática estão descentralização das quatro marcas — Avon, Aesop, The Body Shop e Natura (com Avon) na América Latina. Essas áreas, segundo o executivo, vão ganhar mais autonomia. Elas estavam subordinadas ao corpo executivo da holding.

“Os dirigentes das marcas vão ter mais autonomia para responder às suas especificidades. É o que eu chamo de autonomia com responsabilidade”, explicou. Cada área vai refazer seu plano estratégico e a holding vai cuidar dos planos e metas do grupo como um todo.

Nos próximos meses, os planos de cada área serão revistos. “A ideia é que o grupo mantenha o foco nos mercados existentes para que possamos recuperar as margens, que estão caindo nos últimos anos, e ver o que cada uma das marcas precisa fazer para que a companhia recupere a rentabilidade.”

Barbosa afirmou que o atual CEO, Roberto Marques, foi importante para promover a internacionalização da companhia. Esse processo ocorreu com importantes aquisições nos últimos anos. Neste momento, contudo, a ordem é olhar para dentro. “Entendemos que não há espaço para novas aquisições.”

Marques permanecerá no conselho, mas o cargo de “executive chairman” que ele ocupava foi extinto. “Ele será importante nesse momento de transição.”

Nos últimos meses, as ações da companhia tiveram forte queda — em um ano, acumulam desvalorização de 74%. No ano, queda de 41%, segundo levantamento do Valor Data.

Além da pandemia, a guerra entre Rússia e Ucrânia afetou os resultados da Natura, explica Barbosa. A expectativa é de que a companhia recupere os resultados com a reestruturação em curso e a retomada da economia no país e lá fora. Contudo, ficou claro para os cofundadores da companhia que o modelo de busca de sinergia que estava em curso tirava das unidades de negócio a capacidade de reagir rapidamente aos seus mercados.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

1 min
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

1 min
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

6 min
Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

2 min
Manhã Inteligente Publicado em 01.jul.2022 às 11h11
Queda generalizada nas Bolsas de Valores do Brasil e EUA, PEC aprovada pelo Senado

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta sexta (1)

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década

3 min