O erro da Petrobras que pode provocar uma perda milionária em processo

Ministro do STJ destacou que a defesa da companhia fez um 'copia e cola' nas petições apresentadas às instâncias anteriores

Edifício sede da Petrobras no Centro do Rio (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A 3ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) abriu na terça-feira (8) o julgamento de um pedido de indenização feito pela empresa Fratelli D’Amato contra a Petrobras em razão da quebra de um contrato de afretamento (aluguel). O relator do caso na Corte, ministro Moura Ribeiro, votou contra a petrolífera e apontou como motivo o fato de a companhia ter feito um “copia e cola” nas suas petições. A Petrobras conseguiu reverter no TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) uma decisão desfavorável usando a mesma defesa apresentada à primeira instância, em que foi derrotada.

Para Moura Ribeiro, o recurso apresentado ao tribunal do Rio não poderia ter sido aceito pelos desembargadores. “A questão fundamental aqui em jogo é a inépcia do recurso de apelação. A Petrobras não cuidou de afastar nenhum dos argumentos [do juiz da primeira instância] porque o seu recurso de apelação foi uma cópia fiel da contestação”, disse o ministro.

Conforme o site do jornal Valor Econômico, a Petrobras foi condenada em primeira instância a cumprir os pagamentos previstos no contrato que havia assinado com a empresa Fratelli D’Amato. A dívida se estende do dia da rescisão, em 8 de outubro de 2015, até a data em que os trabalhos se encerrariam, 8 de agosto de 2017.

São duas taxas diárias. Uma de US$ 20.265,00, referente ao contrato de afretamento, e a outra de R$ 17.779, por um contrato de serviços. Soma-se a isso correção monetária e juros de 1% ao mês.

No STJ, o ministro Moura Ribeiro nem chegou a entrar na discussão em torno do contrato. O voto do relator ficou no problema do “copia e cola” de petições, argumento utilizado pela Fratelli no recurso apresentado à Corte. Ele citou várias decisões da turma, citando nominalmente os ministros que as proferiram, no mesmo sentido do seu voto contra a Petrobras.

O julgamento foi paralisado por um pedido de vista do ministro Ricardo Villas Bôas Cueva.


Você também pode gostar
Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 06h32
Governo quer registrar venda da Eletrobras nas bolsas de NY e SP na próxima semana

Após aprovação do TCU, objetivo é tentar acelerar o processo e garantir a privatização da empresa até 15 de junho

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 17h47
TCU forma maioria para aprovar privatização da Eletrobras

Governo aguarda aprovação do tribunal para fazer a capitalização da companhia ainda este ano