Netflix demite mais 300 funcionários à medida que o crescimento da receita diminui; ação cai em NY

Ações da empresa caíram mais de 70% desde janeiro

netflix-sede-california-scaled
A veiculação de anúncios é uma resposta aos questionamentos sobre o modelo de negócio da empresa e sua capacidade de rentabilização

A Netflix está demitindo cerca de mais 300 funcionários em toda a empresa. Os cortes, que representam cerca de 3% da base de funcionários da empresa, ocorrem cerca de um mês depois que a empresa de streaming eliminou cerca de 150 posições após sua primeira perda de assinantes em uma década.

“Hoje, infelizmente, demitimos cerca de 300 funcionários”, disse a Netflix em comunicado nesta quinta-feira. “Enquanto continuamos a investir significativamente no negócio, fizemos esses ajustes para que nossos custos estejam crescendo em linha com nosso crescimento mais lento de receita. Somos muito gratos por tudo o que eles fizeram pela Netflix e estamos trabalhando duro para apoiá-los nessa difícil transição”.

A Netflix havia alertado os investidores em abril de que reduziria parte de seu crescimento de gastos nos próximos dois anos.

Spence Neumann, diretor financeiro global da empresa, disse, durante a teleconferência de resultados da empresa, que a Netflix está tentando ser “prudente” em recuar para refletir a realidade de seus negócios. A empresa ainda planeja investir pesadamente, incluindo cerca de US$ 17 bilhões em conteúdo.

O co-CEO Reed Hastings também disse durante a teleconferência que a empresa está explorando níveis mais baratos e suportados por anúncios em uma tentativa de atrair novos assinantes após anos resistindo a anúncios na plataforma.

A Netflix também está trabalhando para reprimir o compartilhamento desenfreado de senhas. A empresa disse que, além de seus 222 milhões de domicílios pagantes, mais de 100 milhões de domicílios usam seu serviço por meio de compartilhamento de contas.

As ações da empresa caíram menos de um por cento durante as negociações do meio-dia de quinta-feira, mas caíram mais de 70% desde janeiro.

Com agências.

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais