Musk é o maior risco para negócio do Twitter; ação fecha a semana em queda em NY

Saiba o que levou Elon Musk a esfriar o negócio com o Twitter

Elon Musk, fundador da Tesla e, logo, controlador do Twitter (Foto: Heisenberg Media/Wikimedia)

O tuíte de Elon Musk, dono da Tesla, no início da manhã sobre suspender sua aquisição de US$ 44 bilhões da empresa de tecnologia é um lembrete de que a maior ameaça ao negócio é o próprio Musk, diz o analista da CFRA Research, Angelo Zino.

“Embora nunca tenhamos questionado a capacidade de Musk de concluir tal transação do ponto de vista financeiro, pensamos que o maior risco era o próprio Elon mudar de ideia e questionar seu motivo com este anúncio”, comenta.

As ações do Twitter caíram 9,6% nesta sexta-feira (13). No ano, o papel passa a acumular queda de 4,54%. 

Ao colocar o acordo em espera, ostensivamente para verificar o número de usuários falsos na plataforma, Musk se deu mais vantagem para negociar um preço mais baixo ou desistir completamente do negócio.

Zino diz que a incerteza que ele injetou na situação pode ser um mau presságio para o Twitter.

Em meio às declarações de Musk na rede social, de que o acordo de compra da plataforma estava “temporariamente suspenso”, os papéis da empresa caíram mais de 20% no pré-mercado da bolsa de Nova York. Um pouco depois, ele fez outra postagem dizendo que “ainda está empenhado em adquirir” a rede social.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 08h53
Bolsas europeias e futuros de NY são pressionados por dados fracos da China

A atividade econômica na China perdeu força de forma acentuada em abril

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 07h20
China: com lockdowns, produção industrial tem forte desaceleração em abril

Atividade recuou 2,9% na base anual; mercado esperava avanço de 1,0%