Musk diz que novas fábricas da Tesla estão ‘queimando dinheiro’

Fala ocorre no momento em que o empresário faz cortes de empregos na fabricante de carros elétricos

Foto: Pixabay

As duas mais novas fábricas de automóveis da Tesla estão perdendo bilhões de dólares, já que interrupções na cadeia de suprimentos e desafios ma fabricação de células de bateria limitam a capacidade da empresa de aumentar a produção, disse Elon Musk em entrevista recente.

As fábricas da empresa na Alemanha e no Texas, inauguradas no início deste ano, são “fornalhas de dinheiro gigantescas”, disse o diretor-presidente da Tesla em uma entrevista em 30 de maio a um clube de proprietários de veículos Tesla, divulgada na quarta-feira.

“Nossa preocupação é, esmagadoramente, como manter as fábricas operando para que possamos pagar as pessoas e não falir?” disse Musk na entrevista. Ele acrescentou que esperava que a Tesla resolvesse esses problemas rapidamente. Nas semanas desde que a entrevista foi gravada, a Tesla iniciou demissões que Musk indicou que poderiam atingir 10% da força de trabalho assalariada da empresa.

Musk não respondeu a um pedido de comentário. As ações da Tesla fecharam em queda inferior a 1% na quarta-feira, mas caíram cerca de um terço em 2022.

A fabricação de carros é um negócio notoriamente faminto por dinheiro, e a criação de novas fábricas pode ser especialmente assim. A Tesla, por exemplo, gastou cerca de US$ 11 bilhões no primeiro trimestre em itens necessários para fabricar e vender carros, incluindo materiais, mão de obra, fabricação e embarques.

Durante anos, os investidores se preocuparam com o fato de as reservas de Tesla não serem suficientes. Essas preocupações diminuíram, no entanto, quando a empresa pagou dívidas, levantou dinheiro e divulgou uma série de lucros trimestrais que ajudaram a transformá-la na montadora mais valiosa do mundo. No primeiro trimestre, a Tesla estava com cerca de US$ 17,5 bilhões em caixa.

A Tesla enfrentou vários reveses nos últimos meses, incluindo custos mais altos com fornecedores e logística em meio à inflação crescente. As restrições governamentais devido à covid-19 na China também reduziram a produção na fábrica da empresa em Xangai, que havia sido a maior em volume.

A Tesla lançou este ano entregas de veículos utilitários esportivos compactos Model Y feitos em suas fábricas mais novas, mas aumentar a produção dessas instalações tem se mostrado difícil, disse Musk. Ele citou o fornecimento de bateria como um gargalo importante. “Berlim e Austin estão perdendo bilhões de dólares agora porque há uma tonelada de despesas e quase nenhuma produção”, disse Musk.

A Tesla conta há muito tempo com células de bateria do tamanho de um dedo feitas por empresas como a Panasonic, mas vem trabalhando para desenvolver suas próprias células maiores internamente. Esse esforço visa reduzir o custo de um componente-chave e mitigar o risco de falta de bateria.

A instalação do Texas, que a Tesla projetou para fabricar carros usando baterias de vários tamanhos, foi pega no meio da transição da empresa. Aumentar a produção interna de células de bateria maiores e pacotes associados provou ser um desafio, disse Musk. Enquanto isso, as ferramentas necessárias para fabricar carros usando células de bateria menores ficaram presas na China, disse ele.

Analistas esperam que a Tesla entregue cerca de 273 mil veículos no segundo trimestre, de acordo com a FactSet, abaixo dos cerca de 310 mil nos primeiros três meses do ano. Isso marcaria o primeiro declínio trimestral da empresa nas entregas em mais de dois anos.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30

5 min
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

1 min
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

4 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia

1 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 14h23
4 min