Meta anuncia força-tarefa para combater desinformação e disparos em massa na eleição

Centro de Operações para Eleições vai operar durante os dois turnos do pleito

A empresa Meta, composta pelo Facebook, Instagram e WhatsApp, anunciou na quinta-feira (12) as ações que estão sendo preparadas para evitar a disseminação de desinformação e disparos em massa em suas plataformas durante o período eleitoral. Entre as medidas, está a implementação de um Centro de Operações para Eleições, onde profissionais de tecnologia no Brasil e no exterior analisarão os conteúdos publicados nas redes com a ajuda de ferramentas de inteligência artificial.

“Reunimos especialistas em diversas áreas no Brasil e no exterior para monitorar em tempo real as eleições e conteúdos em nossas plataformas garantindo a remoção rápida de conteúdos nocivos ou que violam as nossas políticas e regras”, explicou a gerente de Programas de Resposta Estratégica da Meta América Latina, Debs Delbart.

A central de operação, já implementada em 2018 e 2020, será reforçada em 2022 e vai operar durante os dois turnos do pleito. A empresa ainda não informou quando ela entra em operação nem a quantidade de colaboradores envolvidos.

Outras novidades já anunciadas são a limitação de reencaminhamento de mensagem para apenas um grupo por vez no WhatsApp e o aviso inserido em publicações com conteúdo eleitoral, que direciona o usuário para o site do Tribunal Superior Federal. A ferramenta, que entrou no ar em janeiro, recebeu 2,8 milhões de cliques no Facebook nos dois primeiros meses de funcionando e gerou um fluxo 10 vezes maior do que o normal para o site do TSE.

O aviso de publicação política será a estratégia usada pela Meta para publicações questionando a segurança das urnas eletrônicas e a lisura do processo eleitoral. A empresa também ressaltou que vai monitorar e coibir a disseminação em suas plataformas de mensagens incitando ataques violentos, ao estilo da invasão ao Congresso americano promovida por apoiadores do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, em 2021, insatisfeitos com o resultado das eleições.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h36
Muitos investidores de criptomoedas não sabem o que estão comprando, diz dirigente do BoE

Jon Cunliffe, do banco central britânico, intensificou o pedido para que as autoridades regulem os criptoativos

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h27
Ibovespa opera em alta e busca retomar marca de 110 mil pontos

Bolsa busca quinto dia de ganhos, em meio ao alívio no exterior

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h16
Estrangeiros já sacaram R$ 12,6 bilhões da Bolsa em maio

Movimento positivo no ano diminuiu para R$ 45,03 bilhões