Itaú obtém autorização do BC para comprar fatia de 11,38% na XP

A aquisição estava prevista em contrato assinado em maio de 2017 e a consumação da aquisição é esperada para ocorrer em 2022

Agência Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, em São Paulo. Foto: Rafael Navarro/divulgação

Pontos-chave

  • A consumação dessa operação está prevista para ocorrer em 2022, após a divulgação das demonstrações financeiras auditadas da XP Inc.

O Itaú Unibanco informou que obteve aprovação do Banco Central para adquirir uma fatia adicional de aproximadamente 11,38% do capital social total da XP Inc., companhia sediada nas Ilhas Cayman e listada na Nasdaq.

De acordo com o comunicado do Itaú, a aquisição de fatia adicional na XP Inc. “ocorreu conforme previsto no contrato de compra e venda de ações e outras avenças, celebrado em 11 de maio de 2017, entre algumas de nossas afiliadas, XP Controle Participações S.A., General Atlantic (XP) Bermuda LP, Dyna III Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, entre outros”.

“A consumação dessa operação está prevista para ocorrer em 2022, após a divulgação das demonstrações financeiras auditadas da XP Inc. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2021”, diz o texto enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira (8).

O Itaú destaca ainda, no comunicado, que são necessárias, ainda, aprovações de órgãos reguladores no exterior para a concretização dessa aquisição.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 08h18
Elon Musk se reúne nesta sexta-feira com Bolsonaro e empresários

Segundo ministro das Comunicações Fábio Faria, objetivo é discutir conectividade e proteção da Amazônia com o governo brasileiro

Valor Econômico Publicado em 18.maio.2022 às 12h14
Entenda o que o governo faz com o lucro da Petrobras

Estatal destaca que o pagamento de dividendos é obrigatório em caso de lucro para qualquer empresa de capital aberto

Leonardo Guimarães Atualizado em 18.maio.2022 às 11h34
Duelo IF: JBS ou Marfrig, em qual investir?

Duas gigantes do setor de alimentos disputam a sua atenção como investidor