Itaú BBA mantém recomendação de ‘venda’ para Nubank e projeta prejuízo no primeiro trimestre

Os analistas do banco reduziram o preço-alvo da ação de US$ 7,00 para US$ 6,60

Sede do Nubank, em São Paulo (Foto: Divulgação)

O Itaú BBA manteve sua recomendação de “venda” para Nubank, reduzindo o preço-alvo para US$ 6,60, de US$ 7,00. Os analistas, liderados por Pedro Leduc, admitem que se sentiram tentados a alterar a recomendação após a derrocada do papel e a valorização do real, mas decidiram esperar para ver como será o resultado do primeiro trimestre. Eles preveem prejuízo ajustado de R$ 193 milhões no período. O Nubank fechou em alta de 3,52% na Bolsa de Nova York na segunda-feira, a US$ 6,92.

“A incerteza sobre a qualidade do crédito só está aumentando, enquanto os custos de funding estão pressionando a margem. Nossa visão se baseia em desafios cíclicos e estruturais para justificar valuations altos. A alta cíclica da inadimplência já foi parcialmente precificada, mas está apenas começando a aparecer. Dados marginais sugerem que ela pode ser mais rápida e mais forte do que anteriormente esperado”, diz o relatório.

Para os analistas, do lado positivo, o Nubank deve continuar conquistando clientes, com a adição de 5 milhões no primeiro trimestre, chegando a um total de 59 milhões, e a expansão do crédito deve ficar em “impressionantes” 15%, terminando o trimestre com uma carteira de R$ 42 bilhões. Por outro lado, o rápido crescimento da carteira também deve elevar as provisões. Eles estimam que a inadimplência do Nubank deve subir 0,6 ponto porcentual na passagem do quarto para o primeiro trimestre, a 4,1%. No fim do ano, ela chegaria a 5,5%.

Ao mesmo tempo, os custos de funding mais altos provavelmente também estão afetando a margem financeira. Para o Itaú BBA, a alta da inadimplência gera o risco de o Nubank ter que eventualmente puxar o freio na concessão de crédito, desacelerando o ritmo de monetização. “Tal configuração alimenta o desafio estrutural de conseguir lucrar -mesmo com tantos clientes – no longo prazo”. A previsão para o resultado do banco este ano foi reduzida de um prejuízo de R$ 862 milhões para um rombo de R$ 1,137 bilhão.

Os analistas apontam ainda que o período de lock-up pós-IPO que impede grandes investidores do Nubank de vender suas ações termina em 7 de junho, mas dizem que não estão muito preocupados com uma eventual pressão vendedora sobre os papéis. Para eles, o Brasil recentemente tem ganhado mais atenção dos investidores globais e o tipo de acionista que o Nubank tem é de longo prazo, ou seja, não se deixaria influenciar tanto por resultados de curto prazo. Além disso, o Itaú BBA aponta que o Brasil pode ser um dos primeiros emergentes a alternar de um ciclo de aperto monetário para um de afrouxamento. “Os desdobramentos geopolíticos são favoráveis. Eventualmente, juros mais baixos, menor inflação e melhor criação de empregos ajudariam a lidar com os ventos contrários cíclicos que o Nubank está enfrentando.”

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 19h36
Dow Jones sobe mais de 600 pontos; S&P 500 se afasta do território ‘Bear Market’

O S&P 500, índice de referência do mercado de ações nos EUA, avançou 1,9% nesta segunda-feira

3 min
Diogo Rodriguez Atualizado em 23.maio.2022 às 16h52 Duração 1 min.
O que é uma fintech? O que ela faz?

Qual é a diferença das fintechs para os bancos tradicionais? Saiba mais no Me Explica na IF

Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 16h47
Seis brasileiros que ficaram bilionários na pandemia

Atualmente, são 62 nomes - indivíduos ou famílias - do Brasil que seguem com fortunas acumuladas acima de US$ 1 bilhão

4 min
Manhã Inteligente Publicado em 23.maio.2022 às 11h02
Dados da inflação, Fórum Econômico Mundial, preços dos combustíveis

Isabella Carvalho e Victor Vietti falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos