Falta carro para alugar no fim de ano, com alta demanda e frota limitada

Em seis dos dez destinos pesquisados não há carros populares disponíveis, todos já estão reservados

Foto: Divulgação/Volkwagen

Pesquisa realizada pelo GLOBO na sexta-feira (17) nos sites das três maiores locadoras de veículos para o aluguel de um veículo de 27 de dezembro a 7 de janeiro constatou que os modelos básicos mais baratos estão quase esgotados nas filiais em aeroportos de cidades turísticas como Fortaleza, Curitiba, Recife, Salvador, Maceió, São Luís, Natal, Florianópolis, Porto Alegre e Rio de Janeiro (Santos Dumont e Galeão).

Em seis dos dez destinos pesquisados não há carros populares disponíveis, todos já estão reservados.

As locadoras têm enfrentado dificuldades para renovar a frota desde o início da pandemia, que afetou o suprimento global de semicondutores. A falta dos componentes reduziu a produção de automóveis no mundo, inclusive no Brasil, e as locadoras são os principais compradores. Outra fatia relevante da receita das locadoras, a venda de seminovos, também foi abalada. Afinal, sem poder renovar a frota na proporção desejada, não era possível se desfazer dos seminovos.

No ano passado, a frota das locadoras ultrapassou a marca de 1 milhão, segundo a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla). Este ano, até 31 de julho, as locadoras tinham comprado 181 mil automóveis e comerciais leves, conforme levantamento do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), em parceria com a Abla. A projeção para o total a ser atingido este ano é de 350 mil a 380 mil veículos. A Abla estima que as locadoras deixarão de comprar entre 420 mil e 450 mil veículos este ano, devido à dificuldade de produção das montadoras.

Além do limite à renovação da frota, o apagão nas locadoras neste fim de ano é reflexo da retomada do turismo com a vacinação. Famílias que adiaram férias na pandemia e ainda não se sentem seguras para viajar para o exterior ou pelo Brasil em aviões e ônibus cheios recorrem aos carros alugados, principalmente para curtas e médias distâncias. A nova variante Ômicron é mais um fator de preocupação.

O resultado é a falta de carros para reserva. Na Localiza, por exemplo, não há opção de carros básicos em nenhuma das cidades pesquisadas. Nos dois aeroportos do Rio, faltavam até veículos intermediários e alguns modelos de minivans e furgões.

Em São Luís, onde é comum o aluguel de carros mais potentes para encarar os quase 300 quilômetros até Lençóis Maranhenses, o modelos SUV e 4×4 também já acabaram. Em Curitiba, nenhuma das lojas tinha carros disponíveis.

A Localiza reconhece que a indústria automotiva está passando por uma crise global, que impactou “severamente a produção de carros e toda a cadeia de valor dependente dela, inclusive a de locação de veículos”. Em nota, a empresa diz que as montadoras estão atendendo a seus pedidos, ainda que em prazos mais longos que os previstos.

O site da Unidas (que está em processo de aquisição pela Localiza) informa que não há modelos em nenhuma das cidades analisadas, exceto SUVs em Natal e Curitiba, além de algumas opções no Galeão. Procurada, a empresa não retornou o contato.

Na Movida, até sexta-feira, havia carros básicos disponíveis em Curitiba, Rio (Galeão) e São Luís. Em Fortaleza, só vans e picapes.

Com reportagem de O Globo.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 10h38
O que Elon Musk deve discutir na passagem pelo Brasil

Bilionário terá encontro com o presidente Jair Bolsonaro e empresários