Entenda o que o governo faz com o lucro da Petrobras

Estatal destaca que o pagamento de dividendos é obrigatório em caso de lucro para qualquer empresa de capital aberto

Plataforma de exploração da Petrobras (Foto: Petrobras/Divulgação)

A escalada dos preços internacionais do petróleo e a consequente aumento dos preços da gasolina, do diesel e do etanol nos postos colocou a Petrobras novamente no centro de um debate: deve agir para evitar uma alta dos preços cobrados na bomba de combustíveis ou deve priorizar sua saúde financeira? Este debate não é novo, mas agora ganha outro elemento. O questionamento sobre para onde vão os dividendos (lucro) da empresa, turbinado pela alta da cotação do barril.

No ano passado, a Petrobras registrou lucro recorde de R$ 106,7 bilhões. No primeiro trimestre de 2022, o lucro foi de R$ 44,5 bilhões. Embora o novo presidente da companhia, José Mauro Coelho, tenha declarado que “não há relação significativa entre os resultados e os reajustes dos preços dos combustíveis”, a percepção política parece ser outra.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) vem nos últimos anos travando uma guerra de palavras com a empresa por causa dos preços. Recentemente, ele classificou a margem de lucro da empresa como um “estupro” e disse que “vai entrar” na estatal por considerar os ganhos excessivos.

Todo o valor dos dividendos que a empresa paga à União é usado na amortização da dívida pública

Contudo, Bolsonaro evita mencionar que a União recebe em forma de dividendos uma fatia polpuda do lucro da petroleira. E evita ainda mais mencionar o que a União faz como esse dinheiro.

A União é o maior detentor de ações da Petrobras com direito a voto, as ações ordinárias (ON) – 50,38% desses papéis, o que a torna a principal controladora. Considerando todas as ações, inclusive as ações preferenciais (PN), que não dão direito a voto, a participação é de 28%. Isso significa que, quando a Petrobras reparte os seus lucros com os acionistas, o governo é um dos que mais recebem dividendos.

De acordo com a Secretaria do Tesouro, vinculada ao Ministério da Economia, todo o valor dos dividendos que a Petrobras paga à União é direcionado para a amortização da dívida pública.

Isso significa que os R$ 25 bilhões que o governo receberá em dividendos da companhia entre maio e julho serão integralmente usados para pagar a dívida e financiar o próprio governo – este valor exclui os dividendos pagos ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), que também é acionista da empresa.

“Nos termos do art. 1º, inciso I da Lei nº 9.530/1997, serão destinados à amortização da dívida pública federal a receita do Tesouro Nacional decorrente do pagamento de participações e dividendos pelas entidades integrantes da Administração Pública Federal indireta, inclusive os relativos a lucros acumulados em exercícios anteriores”, esclareceu ao Valor a Secretaria do Tesouro.

“Como mais de 90% do gasto público federal não financeiro é obrigatório, quase toda a fonte de receita do governo é usada para o seu financiamento. Esse é um dos problemas do baixo grau de liberdade do orçamento público no Brasil”, diz o sócio e economista-chefe da Ryo Asset, Gabriel Leal de Barros. “A rigidez é enorme e amarra a mão do governo federal.”

Lucro da Petrobras deveria gerar benefício diretos para população?

A regra alimenta outra pergunta: os recursos da Petrobras poderiam ser usados de forma a gerar benefícios diretos à população?

Leal de Barros defende a necessidade de a Petrobras reajustar o preço interno dos combustíveis de acordo com os preços internacionais e o destino dado aos dividendos devido à necessidade das contas públicas do país. “Não é possível o contorcionismo de dizer que o lucro da Petrobras fere a sociedade, muito pelo contrário. A boa gestão, amparada pela paridade de preços internacionais, é o que garante o abastecimento de derivados de petróleo no país, atrai capital privado nacional e internacional e mantém a capacidade de investimento e governança da companhia”, avaliou.

Barros: “Não é possível o contorcionismo de dizer que o lucro da Petrobras fere a sociedade, muito pelo contrário” — Foto: Carol Carquejeiro/Valor
Barros: “Não é possível o contorcionismo de dizer que o lucro da Petrobras fere a sociedade, muito pelo contrário” — Foto: Carol Carquejeiro/Valor

Para o economista, o passado recente é a prova de que segurar preços é uma prática de má gestão que causou dano colateral na percepção de risco do país, ampliou a dívida da empresa e afastou o capital privado, ocasionando na perda da capacidade de investimento e sustentabilidade financeira da maior empresa do país. “Não funcionou no passado e não funcionará no futuro. Insistir por esse caminho seria um grande erro, repetido, de política econômica”.

Do outro lado, o professor de direito econômico e economia política da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Gilberto Bercovici critica a política de preços da Petrobras e acredita que o governo prejudica o interesse público ao não usar de outra forma o que recebe em dividendos.

“O interesse público é que a Petrobras tenha a capacidade de ampliar a sua infraestrutura, a sua atuação, garantir preço justo de combustível, abastecer o país”, disse Bercovici, definindo que a estatal virou uma espécie de banco. “Virou um banco, uma financeira. Essa política de preços gerou isso. Ela ganha um lucro extraordinário e distribui para os acionistas ao invés de usar a maior parte para reinvestir, gerar empregos.” Na visão dele, a Petrobras está sendo desmontada da ideia original de ser empresa integrada de energia.

“Ela ia do poço ao posto. Atuava em todas as fases da indústria de petróleo. Quando uma empresa é integrada, você consegue manter preços razoáveis compensando. Às vezes está mais caro o refino, mas está mais barato na distribuição. Está mais caro na importação, mas está mais barato na exploração. Vai compensando essas variações na própria estrutura da empresa e consegue manter uma estabilidade maior de preço. Desde 1953, a Petrobras fez isso”, diz. Na sua avaliação, a estratégia assumida a partir de 2016 – quando foi instituída a política de Preço de Paridade de Importação (PPI) – causou crises frequentes como greves de caminhoneiros e maior impacto dos combustíveis na inflação.

Mas para Bercovici, não se trata de discutir como a União emprega os dividendos que recebe da Petrobras. O problema, argumenta ele, é que esse dinheiro está indo em excesso para pagamento de dividendos.

O que diz a Petrobras

A Petrobras defende que o cenário é o oposto e que a sua política atual de gestão possibilitou uma expansão dos investimentos.

“A companhia reduziu seu endividamento para redirecionar recursos de juros para investimentos. Isso permitiu aumentar em 24% o investimento previsto em relação ao plano anterior: serão US$ 68 bilhões nos próximos cinco anos”, informou a companhia em nota enviada ao Valor. “Não há qualquer contradição entre a execução de robustos investimentos e o pagamento de dividendos”, adicionou.

A estatal destaca que o pagamento de dividendos é obrigatório em caso de lucro para qualquer empresa de capital aberto, conforme prevê a lei 6.404/76, das Sociedades Anônimas. “Trata-se de um recurso que pertence aos acionistas e, no caso da Petrobras, a maior parte sempre retorna à sociedade brasileira, incluindo os mais de 700 mil acionistas brasileiros.”

Há dez anos, a empresa pagou R$ 3 bilhões em dividendos para o grupo de controle, composto por União, BNDES, BNDESPar, Fundo de Participação Social e Caixa Econômica Federal. Em 2013, o montante caiu para R$ 2,5 bilhões e subiu para R$ 4 bilhões em 2014. Nos três anos seguintes, não houve pagamento de dividendos. Em 2018, eles voltaram a ser pagos, mas numa cifra menor: R$ 1,2 bilhão.

Em 2019 e 2020, o montante pago ao grupo controlador, não chegou aos R$ 3 bilhões. E, finalmente, em 2021 – ano do lucro recorde da empresa -, o total em dividendos pagos à União e aos demais entes controladores deu um salto substancial, atingindo a marca de R$ 27,1 bilhões.


Você também pode gostar
JOTA Atualizado em 24.jun.2022 às 21h08
ANÁLISE: Por que suspeita sobre Bolsonaro vazar informações para Milton Ribeiro não deve ter consequências jurídicas?

Outros casos de suspeita de corrupção e de interferência na PF envolvendo o presidente não avançaram na Justiça, diz Felipe Recondo, do JOTA

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h45
Diesel e gasolina sobem e preços nos postos atingem recorde histórico, diz ANP

Diesel sobe pela terceira semana seguida. Gasolina inverteu movimento de queda e teve nova alta

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 17h58
Como o TikTok se tornou uma máquina de fazer dinheiro?

Plataforma vai triplicar receita publicitária este ano, para US$ 12 bi e ainda amplia ganho de tiktokers, avança em games e e-commerce

Papo de Finanças Publicado em 24.jun.2022 às 17h04 Duração 8 min.
Como ter segurança nos investimentos?

Você está se sentindo aflita com tanta instabilidade na economia? Nina Silva explica o que fazer em momentos tão tensos

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

JOTA Publicado em 24.jun.2022 às 12h39
Projeto transforma créditos de ICMS em ativos virtuais para negociação

Proposta tenta incentivar as exportações no país; especialista afirma que projeto é importante, mas ainda imaturo