Binance: como a gigante de criptomoedas se tornou, segundo a Reuters, um porto seguro para hackers e fraudadores

Por cinco anos, a maior exchange de criptomoedas do mundo, serviu como canal para a lavagem de pelo menos US$ 2,35 bilhões em fundos ilícitos, diz a Reuters

A Reuters publicou na segunda-feira (6) uma reportagem sobre a Binance, maior exchange de criptoativos do mundo por volume de negociação, em que afirma que a corretora processou transações de hackers, fraudadores e traficantes de drogas de 2017 a 2021.

“Por cinco anos, a maior exchange de criptomoedas do mundo, a Binance, serviu como canal para a lavagem de pelo menos US$ 2,35 bilhões em fundos ilícitos”, diz a Reuters.

Com cerca de 120 milhões de usuários em todo o mundo, a Binance processa transações de criptomoedas no valor de centenas de bilhões de dólares por mês.

A agência de notícias disse que trabalhou com as empresas de análise de dados na blockchain Chainalysis e Crystal Blockchain para rastrear esses dados, ao mesmo tempo em que examinou registros judiciais e declarações de autoridades e órgãos reguladores em diferentes países.

Hoje, a Binance reagiu chamando a reportagem de “pérola sem fôlego”. A corretora de criptoativos disse ainda, em uma postagem em seu blog nesta terça-feira, que a reportagem da Reuters é “repleta de falsidades” e uma reunião de dados mal apurados.

A Binance está de olho nos investidores no Brasil. Em março, a exchange anunciou interesse em entrar no mercado brasileiro, por meio da assinatura de um Memorando de Entendimentos para a aquisição da Sim;Paul, corretora de investimentos tradicionais, criada em 2019, e autorizada pelo Banco Central e pela CVM desde meados de 2020.

A conclusão do negócio com a Sim;Paul ainda depende de aprovação das autoridades regulatórias brasileiras, inclusive o próprio Banco Central. Os valores envolvidos na aquisição não foram revelados.

“Nosso objetivo é ampliar a adoção de cripto globalmente com o propósito de gerar impacto positivo para os nossos usuários, a comunidade de cripto e blockchain, e para a sociedade como um todo”, disse Changpeng Zhao (CZ, como é mais conhecido), fundador e CEO da Binance, em comunicado à imprensa, em março, ocasião da assinatura do memorando para a aquisição da Sim;Paul.

A Binance, que registrou no Brasil a empresa B Fintech, que tem o próprio CZ como sócio, diz não ter presença oficial no Brasil. Os usuários da plataforma baseados no país fazem saques e depósitos por meio dos parceiros da corretora, como o banco digital Capitual.

Quem é o fundador da Binance?

O sino-canadense fundador e CEO da Binance, “CZ”, é hoje o homem mais rico do universo cripto e o 11º do mundo. Sua fortunada é estimada em US$ 96 bilhões. A cifra pode ser ainda maior. O levantamento do patrimônio feito pela Bloomberg não considera suas posses de criptoativos, que incluem, segundo a publicação, bitcoin e BNB, a criptomoeda criada pela corretora e que valorizou 1.300% em 2021.

Esta é a primeira vez que a lista “Bloomberg Billionaires Index” faz uma estimativa da fortuna de CZ, e o resultado o coloca como o homem mais rico da Ásia, à frente de Mukesh Ambani, indiano do ramo de energia. No ranking global, CZ fica pouco abaixo de nomes como Warren Buffett, oitavo colocado, com patrimônio estimado em US$ 116 bilhões. Claro, a fortuna dos bilionários do mundo cripto é extremamente volátil. Com a queda recente no preço do bitcoin e outras criptomoedas, isso tem reflexo imediato no patrimônio de CZ.

CZ, que já foi atendente do McDonald’s no Canadá, para onde mudou quando seu pai foi exilado da China, criou a corretora em 2017, e ela cresceu consideravelmente nesses cinco anos, tornando-se a maior do setor no mundo, mas não sem passar por diversas polêmicas.

Porto seguro para hackers e fraudadores, diz a Reuters

Segundo a investigação da Reuters, publicada na segunda, por cinco anos, de 2017 a 2021, a Binance serviu como canal para a lavagem de pelo menos US$ 2,35 bilhões em fundos ilícitos.

A plataforma de dados de criptomoedas Chainalysis, contratada por agências governamentais dos EUA para rastrear fluxos ilegais de criptoativos, concluiu em um relatório de 2020, que a Binance recebeu fundos de origem ilícita totalizando US$ 770 milhões somente em 2019, mais do que qualquer outra exchange de criptomoedas. CZ, o CEO da Binance, acusou a Chainalysis no Twitter de “má etiqueta nos negócios.”

Respondendo a perguntas escritas da Reuters, o diretor de comunicações Patrick Hillmann disse que a Binance não considera o cálculo da Reuters preciso. Ele não respondeu aos pedidos para fornecer os próprios números da Binance para os casos identificados na reportagem da Reuters.

Hillmann disse ainda que a Binance está construindo “a equipe forense cibernética mais sofisticada do planeta” e busca “melhorar ainda mais sua capacidade de detectar atividades ilegais de criptografia em nossa plataforma”.

A Binance foi banida da China, junto com toda a indústria cripto, e enfrentou problemas regulatórios e/ou legais em diversos países, como Itália, Singapura, Malásia, Reino Unido, Japão, Alemanha e nos Estados Unidos. A Binance é atualmente investigada pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) por violar as regras ao vender seu token BNB, quando a exchange estava decolando cinco anos atrás.

Em 2020, segundo a Bloomberg, a Binance gerou quase US$ 20 bilhões em receitas. Recentemente, a Binance, que é a maior corretora do mundo por volume de negociação, movimentou US$ 170 bilhões em um único dia. Num dia “fraco”, escreveu Exame em reportagem em janeiro, a plataforma movimenta US$ 40 bilhões — quatro vezes mais do que há dois anos.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais

José Eduardo Costa Atualizado em 30.jun.2022 às 18h59
Bitcoin registra sua pior perda trimestral em mais de uma década

No final da tarde desta quinta-feira o bitcoin registrava baixa de 58% de seu valor no segundo trimestre de 2022, a pior queda trimestral em mais de uma década

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 07h27
Bitcoin segue acima de US$ 20 mil com atenção a liquidação de fundo e ataques a Tether

O valor de mercado somado de todas as criptomoedas ficava em US$ 935 bilhões

Leonardo Guimarães Publicado em 28.jun.2022 às 07h15
Já é possível investir em jogadores via tokens lastreados

Você pode ganhar dinheiro nas negociações com o meia Phillippe Coutinho; mas há riscos. Conheça o novo ativo digital

Redação IF Atualizado em 27.jun.2022 às 10h27
Criptomoedas retomam patamar de US$ 1 trilhão com ganhos do ether e bitcoin

Aversão ao risco devido ao temor de inflação global e juros em alta arrefeceu um pouco