Banco Inter desiste de reorganização societária que o levaria à Nasdaq

Adesão de minoritários, que se tornou vantajosa diante da queda das ações nas últimas semanas, ultrapassou limite de desembolso estipulado pela instituição, de R$ 2 bilhões

Foto: Divulgação Inter

Pontos-chave

  • Isso ocorreu porque o valor a ser desembolsado para fins de pagamento da opção "cash-out" (quando o acionista recebe em dinheiro por sua participação) excedeu o limite de R$ 2 bilhões estabelecido pelo banco
  • O Inter vinha trabalhando na reorganização societária desde meados do primeiro semestre
  • O acionista de Inter podia decidir até hoje se queria receber seus BDRs quando a reorganização for concluída ou o valor de sua participação em dinheiro

Em uma reviravolta surpreendente, o banco Inter desistiu de realizar uma reorganização societária que culminaria com a listagem de uma nova holding na Nasdaq. Isso ocorreu porque o valor a ser desembolsado para fins de pagamento da opção “cash-out” (quando o acionista recebe em dinheiro por sua participação) excedeu o limite de R$ 2 bilhões estabelecido pelo banco.

“Em consequência, nesta data, o conselho de administração do Inter optou por não exercer a prerrogativa que lhe foi outorgada de aprovar o pagamento da opção cash-out em valor superior ao cap cash-out. Assim, a reorganização societária não será implementada nos termos aprovados na assembleia geral extraordinária realizada e em 25 de novembro de 2021”, diz o banco, sem dar mais detalhes.

A reorganização societária havia sido aprovada com voto favorável de mais de 82% das ações em circulação presentes na AGE. O Inter até poderia escolher pagar um cash-out acima de R$ 2 bilhões, caso determinasse, “após avaliação fundamentada, que a renúncia [a esse teto] é no melhor interesse do Inter e de seus acionistas”.

Em relatório divulgado mais cedo, a Genial já havia alertado para a possibilidade de a reorganização não sair em função do cash-out. O acionista de Inter podia decidir até hoje se queria receber seus BDRs quando a reorganização for concluída ou o valor de sua participação em dinheiro. Optando por fazer o cash-out, o valor a ser pago por unit será de R$ 45,84. Como no fechamento de ontem o preço da unit era de R$ 33,87, para quem já era acionista e queria vender a unit seria possível liquidar a posição a um valor superior ao de mercado.

“Se os resgates superarem R$ 2 bilhões, a operação poderá ser cancelada. Na nossa visão é provável que isso aconteça, tendo em vista que o Inter tem uma capitalização de mercado de aproximadamente R$ 32 bilhões, dos quais 41% estão em circulação, que equivalem a R$ 13 bilhões”, diziam os analistas da Genial, liderados por Eduardo Nishio,

Eles alertavam, no entanto, que a reorganização societária era positiva para o Inter, porque permitiria mais aumentos de capital mantendo o grupo de controle, possibilitado pelas ações com poder de voto diferenciado existentes nos EUA. Além disso, os múltiplos de empresas de tecnologia listadas no exterior geralmente são mais elevados. Nesse sentido, os analistas alertavam os investidores a não optarem pelo cash-out.

“Quem possui a ação incorre em dois riscos ao solicitar o cash-out: o primeiro é que ele contribuirá indiretamente para inviabilizar a operação, elevando o montante de resgate, e caso a reestruturação não seja concluída as ações devem cair no curto prazo; o segundo é que se estiver tentando vender suas ações para recomprar os BDRs mais baratos após o resgate, eles poderão estar mais caros, tendo em vista a alta volatilidade dos papéis do banco nos últimos meses e o IPO do Nubank no meio tempo (08/dez), que pelo forte comparável poderá destravar valor para o Inter”. A Genial tem recomendação de “compra” para o Inter, com preço-alvo de R$ 67,30 para as units.

O Inter vinha trabalhando na reorganização societária desde meados do primeiro semestre. A instituição afirmava que evoluiu o seu modelo de negócios de um banco digital para um ecossistema com cinco “avenidas” de negócios (Day-to-Day Banking, Investimentos, Seguros, Shopping e Crédito), que se complementam e se retroalimentam e, por meio desta plataforma, pretendia ter alcance global e conectar todas as empresas do seu grupo econômico.

“A expansão do Inter para o mercado internacional permitirá a ampliação contínua da sua base de clientes e consolidará o seu posicionamento como plataforma digital de serviços financeiros e não financeiros”, disse o banco em comunicado ao mercado em maio.

O Inter argumentava que com a listagem na Nasdaq teria um fortalecimento da posição como uma companhia global de tecnologia no setor financeiro; aumento na base e diversificação de investidores, clientes, serviços e produtos; maior facilidade na comparação com outras instituições financeiras digitas e plataformas de e-commerce listadas naquele mercado; e permissão de emissão de ações com voto plural, com o objetivo de permitir futuros aumentos da base de capital que serão necessários para o crescimento e assegurar a obrigação regulatória de controle definido.


Você também pode gostar

Valor Econômico

Publicado em 26.jan.2022 às 13h41

Stone se organiza para reconquistar o investidor

A Stone se transformou numa das mais badaladas empresas de pagamentos. No entanto, nos últimos 12 meses, suas ações acumulam queda de 81%. Agora, o CEO Thaigo Piau quer reverter este quadro.

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 09h26

CVM suspende corretoras; saiba como escolher empresas idôneas

Sete empresas não tinham autorização para estar no mercado: Raw Trading, International Capital Markets Pty, IC Markets (EU), Markets, KOI Global LLC, Ventura Group e Orotrader

Redação IF

Publicado em 26.jan.2022 às 08h58

Nubank é ultrapassado pelo Bradesco, depois de perder posto de maior banco latino para Itaú

Valor de mercado da fintech no fim do pregão desta terça era de US$ 33,46 bi, atrás do "bancão", com US$ 34,32 bi

Valor Econômico

Publicado em 26.jan.2022 às 08h18

Estrangeiro já pôs R$ 20 bilhões na Bolsa em 2022

Com ajuda de cenário externo, fluxo está positivo no ano

Lucas Andrade

Atualizado em 26.jan.2022 às 07h55

Como a tensão entre Rússia e Ucrânia pode afetar a economia e os investimentos

A deflagração de um confronto militar entre os dois países pode piorar principalmente o cenário para a inflação na Europa

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 08h00

Afinal, o que dizem os especialistas sobre a Bolsa? Você deve comprar ações ou esperar mais um pouco?

O Ibovespa deve subir, mas com fortes emoções; veja o que levar em consideração

Valor Econômico

Atualizado em 25.jan.2022 às 07h55

Produção de óleo e gás fora a Petrobras supera pela 1ª vez a marca de 1 milhão de barris/dia

O volume representa 27% de toda a produção de óleo e gás do país

Mais lidas hoje

  1. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 26.jan.2022 às 11h26
    Ferramenta lançada pelo Banco Central permite saber se você tem dinheiro a receber dos bancos

    Segundo o BC, há ao menos R$ 8 bilhões parados nas instituições financeiras – conheça o passo a passo para fazer a consulta e saber se você é credor

  2. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 22.jan.2022 às 12h01
    Neymar compra NFTs por R$ 6 milhões; saiba como funciona esse investimento

    Craque passa a fazer parte de um clube restrito a bilionários, que têm direito a festas particulares

  3. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Publicado em 24.jan.2022 às 08h37
    Cade dá aval para Joesley e Wesley Batista assumirem controle da J&F Participações

    A J&F é a controladora do Banco Original do Agronegócio e do Banco Original

  4. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Atualizado em 07.jan.2022 às 08h27
    Conheça os fundos de investimento que lucram milhões com shows de artistas adorados pelo público

    Saiba quem são os gestores (e como são remunerados) por trás de nomes como Gusttavo Lima, Seu Jorge, Alexandre Pires, Maurício Manieri e Daniel