Após pressão de Musk, conselho do Twitter antecipa decisão e dá aval à venda da empresa

Conselheiros recomendam a acionistas que aceitem proposta de US$ 44 bilhões. Anúncio foi antecipado em 8 dias

Elon Musk tem fortuna avaliada em US$263 bilhões. Deve conquistar seu primeiro trilhão em 2024, aos 52 anos
Elon Musk tem fortuna avaliada em US$263 bilhões. Deve conquistar seu primeiro trilhão em 2024, aos 52 anos

Conselheiros recomendam a acionistas que aceitem proposta de US$ 44 bilhões. Anúncio foi antecipado em 8 dias

O conselho do Twitter recomendou acionistas, em decisão unânime, que aprovem a oferta de Elon Musk de US$ 44 bilhões, oito dias antes da data marcada para a votação. A recomendação acontece em meio a declarações do bilionário sobre voltar atrás ou renegociar sua decisão.

Na segunda-feira, Musk levantou a hipótese de reduzir a oferta inicial de US$ 54,20 por ação, dizendo que um acordo a um preço mais baixo não estaria “fora de questão”.

O empresário bilionário está levantando dúvidas sobre os dados divulgados publicamente do Twitter sobre a porcentagem de spam e contas falsas em seu serviço de mídia social, alegando que representam mais de 20% de todos os usuários. Nesta terça-feira, Musk publicou que só seguiria em frente com a oferta se o Twitter pudesse provar que o número de “bots” é inferior aos 5%, valor informado anteriormente pela empresa.

Em declaração, o Twitter disse que está “comprometido em concluir a transação no preço e nos termos acordados o mais rápido possível”.

O conselho divulgou detalhes relevantes relacionados à oferta de Musk, incluindo como ele pretende financiar a compra, os bastidores dos eventos entre o empresário bilionário e a liderança executiva do Twitter que levaram à oferta e o que acontecerá com as ações detidas pelos funcionários do Twitter e executivos se a oferta for finalizada.

Os conselheiros citaram fatores que influenciaram na decisão de recomendar que os acionistas aprovem o acordo, incluindo uma melhoria no posicionamento competitivo do Twitter e as perspectivas de se tornar uma empresa independente, e a crença do conselho de que o acordo tem grandes chances de ser consolidado.

Também foram listados alguns riscos associados ao modelo de negócios do Twitter caso continuasse uma empresa de capital aberto, como o desafio de “fazer investimentos, mudanças operacionais e melhorias (incluindo reduções de custos) para alcançar crescimento e lucratividade de longo prazo”, e “a desafios históricos para a capacidade do Twitter de aumentar a receita de publicidade.”

O documento continuou dizendo que nenhuma das possíveis alternativas estratégicas para a fusão provavelmente apresentaria melhores oportunidades para o Twitter criar maior valor para seus acionistas.

A SEC (que equivale à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA) ainda vai revisar o acordo o acordo – embora a agência reguladora geralmente não tenha o poder de impedir fusões corporativas ou transações privadas – e os acionistas votarão na aprovação na assembleia anual de acionistas do Twitter no dia 25 de maio.

Com conteúdo do jornal digital O Globo


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h44
IF Hoje: Indicadores da atividade econômica nos EUA são destaque

No Brasil, atenções estão no risco fiscal e na mudança de gestão na Petrobras

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h26
Dólar deve permanecer pressionado no exterior com melhor desempenho de mercado global de ações

O dólar inicia a semana mais fraco no mercado internacional, de olho nos proximos movimentos do banco central dos EUA

Valor Econômico Publicado em 27.jun.2022 às 07h48
Risco-Brasil aumenta e ativos locais têm piora com discussão fiscal

Medidas em debate para mitigar alta dos combustíveis geram desconfiança entre investidores

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 07h37
‘Teremos petróleo elevado dois ou três anos’ , afirma CEO da 3R Petroleum

Executivo vê cotação do barril alta por mais tempo, o que favorece produção, mas diz que a saída não é ‘mudar arcabouços legais por razões transitórias’