Acionistas da Gol e da Avianca criam holding para controlar aéreas

Grupo Abra será uma empresa de capital fechado sediada no Reino Unido

Foto: Divulgação

Os principais acionistas da colombiana Avianca e o acionista controlador da Gol, a família Constantino, assinaram um acordo para criar uma holding que controlará as duas aéreas, assim como terá participação não controladora de 100% dos interesses econômicos nas operações da Viva na Colômbia e no Peru e um investimento em dívida conversível representando uma participação minoritária na Sky Airline (Chile). A holding, chamada de Grupo Abra, será uma empresa de capital fechado sediada no Reino Unido.

A informação foi divulgada pelas duas empresas em comunicado ao mercado. O fechamento da transação é esperado para ocorrer no segundo semestre de 2022, sujeito às condições habituais de fechamento e regulatórias.

Segundo as empresas, juntas elas serão a base de uma malha pan-latinoamericana de companhias aéreas com o objetivo de ter o menor custo unitário em seus respectivos mercados, os programas de fidelidade líderes em suas regiões e outros negócios sinérgicos. “Avianca e GOL continuarão mantendo independentes suas marcas, equipes e cultura, enquanto se beneficiam de maior eficiência e investimentos feitos pelo mesmo grupo controlador”, disseram as empresas.

Segundo o comunicado, alguns investidores financeiros se comprometeram a investir até US$ 350 milhões em ações do Grupo Abra após o fechamento do negócio, fortalecendo ainda mais o balanço patrimonial e a posição de liquidez do Grupo.

Roberto Kriete será o presidente do conselho de administração do Grupo. Constantino de Oliveira Junior, atual presidente do conselho da Gol, será o presidente do Grupo. Já Adrian Neuhauser, atual presidente e CEO da Avianca, e Richard Lark, atual diretor financeiro da Gol, serão co-presidentes do Grupo, enquanto mantêm suas atuais funções nas companhias aéreas.

Roberto Kriete disse que o objetivo é criar um grupo de transporte aéreo que enderece os desafios do século 21. “Nossos clientes se beneficiarão de tarifas ainda melhores, acesso a mais destinos, maior frequência de voos e conexões bem sincronizadas, assim como a capacidade de acumular e resgatar pontos nos programas de fidelidade das marcas”, disse.

Já Oliveira disse que o negócio irá colocar as aéreas do grupo em posição de liderança em viagens aéreas na América Latina, atendendo a uma população de mais de um bilhão de pessoas e um PIB de quase US$ 3 trilhões. “A estrutura corporativa única permitirá que cada companhia aérea gere resultados mantendo independentes suas marcas, equipes e cultura, e proporcione aos colaboradores mais oportunidades de crescimento pessoal e profissional em todas as fases de suas carreiras”, disse.

A pandemia tem fortalecido diversos movimentos de consolidação no setor aéreo. Os desafios recentes, como o preço do combustível, têm levado grupos a buscar ganhos de sinergia através de acordos de fusão e aquisição ou codeshare (compartilhamento de voos).

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h25
Ações da Infracommerce têm forte queda após notícia de demissões na empresa

Os desligamentos teriam ocorrido por conta de 'mudanças no orçamento'

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h16
Estrangeiros já sacaram R$ 12,6 bilhões da Bolsa em maio

Movimento positivo no ano diminuiu para R$ 45,03 bilhões

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 12h23
Sondagem da XP vê inflação no fim de 2022 maior do que projeção do último Focus

Divulgação do relatório do Banco Central está paralisada por causa da greve dos servidores

Redação IF Atualizado em 16.maio.2022 às 11h59
Em dia volátil, dólar vai a R$ 5,03 na mínima do pregão

A dinâmica global nesta segunda mostra cautela de investidores

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 08h53
Bolsas europeias e futuros de NY são pressionados por dados fracos da China

A atividade econômica na China perdeu força de forma acentuada em abril