Ação da Hapvida despenca 16% e lidera perdas do Ibovespa

Itaú BBA tem recomendação "outperform" para o papel, com preço-alvo de R$ 17 para o fim de 2022

Foto: Hush Naido Jade/Unsplash

As ações da Hapvida, operadora de planos de saúde, despencam no pregão de hoje, após a companhia ter reportado prejuízo líquido atribuído aos controladores de R$ 181,9 milhões no primeiro trimestre, revertendo o lucro de R$ 151,8 milhões apurado no mesmo período de 2021.

Perto das 12h15, os papéis ON da Hapvida despencavam 16,71%, negociados a R$ 6,53. No mesmo horário, o Ibovespa anotava alta de 0,49%, aos 108.758 pontos.

Os valores consideram os resultados de fevereiro e março do Grupo NotreDame Intermédica, que concluiu a fusão com a operadora no início deste ano, e foram bastante mal recebidos pelos analistas.

Segundo o Goldman Sachs, o resultado abaixo do consenso da Hapvida ocorreu graças ao maior custo de serviços com custos médicos, aumentando para 72,9% no trimestre, devido a um aumento tanto na Hapvida quanto na Intermedica.

“Além disso, maiores despesas e prejuízos não operacionais levaram a um prejuízo antes dos impostos de R$ 204 milhões. Além disso, a margem Ebitda caiu 9 pontos percentuais no comparativo trimestral para 5,9%, seu nível mais baixo de todos os tempos, e ficou bem abaixo da estimativa do Goldmans Sachs de 12,4%. Enquanto isso, as receitas ficaram praticamente em linha com nossas estimativas, já que a empresa registrou uma adição líquida de vidas no trimestre”, afirmam.

Já os analistas do Itaú BBA afirmam que a Hapvida iniciou 2022 com números fracos tanto no faturamento quanto na lucratividade.

“Embora a ação tenha sofrido recentemente com as expectativas de resultados fracos, acreditamos que o desempenho da base de beneficiários ficou consideravelmente abaixo das expectativas do mercado e pode pressionar nossas estimativas de primeira linha e de consenso para o ano. Prevemos uma reação negativa do mercado”, afirmam.

O Goldman Sachs tem recomendação neutra para a Hapvida, com preço-alvo de R$ 13 nos próximos 12 meses. Já o BBA tem recomendação “Outperform” para o papel, com preço-alvo de R$ 17 para o fim de 2022.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 10h46
Ibovespa começa semana em alta acompanhando pares globais

Investidores monitoram de perto os riscos fiscais e políticos

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h44
IF Hoje: Indicadores da atividade econômica nos EUA são destaque

No Brasil, atenções estão no risco fiscal e na mudança de gestão na Petrobras

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h26
Dólar deve permanecer pressionado no exterior com melhor desempenho de mercado global de ações

O dólar inicia a semana mais fraco no mercado internacional, de olho nos proximos movimentos do banco central dos EUA

Valor Econômico Publicado em 27.jun.2022 às 07h48
Risco-Brasil aumenta e ativos locais têm piora com discussão fiscal

Medidas em debate para mitigar alta dos combustíveis geram desconfiança entre investidores

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 07h37
‘Teremos petróleo elevado dois ou três anos’ , afirma CEO da 3R Petroleum

Executivo vê cotação do barril alta por mais tempo, o que favorece produção, mas diz que a saída não é ‘mudar arcabouços legais por razões transitórias’