Voltam a valer regras antigas para remarcação de passagens

A medida entrou em vigor a partir de 1º de janeiro

Foto: Carlos Roman/Infraero

As antigas regras para alteração e cancelamento de voos por passageiros e companhias aéreas votaram a valer no dia 1º de janeiro deste ano. Com o término da validade da Lei nº 14.174/2021, as regras que estavam em vigor durante o auge da pandemia de covid-19 não serão mais aplicadas em função do fim da flexibilização.

Durante a pandemia, o consumidor que cancelasse uma passagem para viagens entre 19 de março de 2020 e 31 de dezembro de 2021 estava isento da cobrança de multa, e o valor pago era convertido em crédito para próxima viagem. Quem optasse pelo reembolso, teria até um ano para receber o valor, que seria corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Com a volta da vigência da Resolução nº 400/2016, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o passageiro que fizer o cancelamento pode ter que pagar multas previstas no contrato de prestação de serviços e ter o restante do valor restituído em 7 dias ou creditado de acordo com as regras da empresa.

No caso de cancelamento por parte da companhia aérea, os passageiros têm direito de optar pelo reembolso total ou reacomodação em outro voo, além da prestação do serviço por outras modalidades.

No site da Anac é possível tirar dúvidas sobre as regras de reembolso e remarcações de passagens aéreas.

Com informações da Agência Brasil


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 09h59
Redação IF Atualizado em 16.abr.2022 às 07h50
Pix substitui caixas eletrônicos com saques em estabelecimentos e gera nova disputa entre bancos

A possibilidade de tornar qualquer caixa registradora de loja um caixa eletrônico, à primeira vista, é o grande trunfo de Pix Saque e Troco

Redação IF Publicado em 12.abr.2022 às 14h42
Análise: Desaceleração no setor de serviços segura revisões positivas para o PIB

Especialistas avaliam que a economia está em um patamar pior do que se acreditava no início do ano