Vacinação consolida aumento da ocupação; volta de restrições pode ser ‘balde de água fria’

Melhora no terceiro trimestre coincidiu com o período em que o país começou a imunizar a população mais jovem

Foto: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo

Pontos-chave

  • 3,6 milhões de pessoas a mais conseguiram um emprego entre julho e setembro
  • Abalo na confiança empresarial pode reduzir ritmo de contratações
  • Identificação da variante ômicron do coronavírus acende sinal de alerta

O crescimento do número de pessoas empregadas no terceiro trimestre de 2021 foi fruto da conjunção entre o arrefecimento da pandemia, o avanço da vacinação e consequentemente o retorno mais intenso da atividade econômica. Dados divulgados nesta terça-feira (30) pelo IBGE indicaram que 3,6 milhões de pessoas a mais conseguiram uma ocupação entre julho e setembro em relação ao período entre abril e junho, elevando o total a 93 milhões.

A melhora no nível de ocupação já vinha sendo observada nos levantamentos anteriores, mas se consolidou no momento em que o país começou a vacinar a população mais jovem, segundo Adriana Berenguy, coordenadora de renda e trabalho do IBGE. “À medida que abaixavam os grupos etários, a gente estava imunizando as pessoas que, em sua parte, são inseridas no mercado de trabalho”, destacou. “Uma vez que mais pessoas estavam imunizadas, há uma dinâmica associada que é o funcionamento maior das atividades econômicas, que acaba se intensificando no terceiro trimestre”, acrescentou.

Sinal de alerta

A identificação da variante ômicron do coronavírus é um fator que pode afetar o desempenho do mercado de trabalho nos próximos meses. O economista Rodolpho Tobler, pesquisador do FGV IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas) alerta para um abalo na confiança empresarial se houver a necessidade de novas medidas de isolamento. Um cenário desfavorável tenderia a frear o ritmo de contratações, especialmente no comércio e setor de serviços.

“Se pandemia não ficar para trás e demandar novas restrições, imaginamos uma piora até mais forte desse quadro, já que hoje temos um ambiente macroeconômico pior, com o cenário político e fiscal complicado”, diz Tobler. “Uma volta atrás nas flexibilizações será um balde de água fria, pois as condições financeiras das famílias já não se mostram tão positivas para se explorar a demanda reprimida por serviços. Se houver cancelamento de eventos públicos e novas restrições, será preocupante”, completa o economista.

Com informações do Valor PRO, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 06.maio.2022 às 10h46
EUA criam 428 mil vagas de trabalho em abril; acima da expectativa que era de 400 mil

EUA criaram 428 mil vagas de trabalho em abril, ligeiramente acima da expectativa dos economistas

2 min
Lucas Andrade Publicado em 29.abr.2022 às 15h30
O mito da carreira perfeita no mercado financeiro

O que você precisa saber antes de tentar uma vaga na área

6 min
Valor Econômico Publicado em 12.abr.2022 às 08h05
Cidades ligadas a commodities e turismo lideram criação de vagas

Apenas uma capital aparece entre os 50 municípios que tiveram maior crescimento de trabalho com carteira entre julho de 2020 e fevereiro deste ano

4 min
Redação IF Publicado em 12.abr.2022 às 07h22
Condições financeiras apontam chance maior de recessão no Brasil, diz Credit Suisse

Banco diz que houve uma piora generalizada dos indicadores nos últimos trimestres, com exceção da taxa de câmbio real

5 min
Redação IF Publicado em 05.abr.2022 às 08h53
Indicador antecedente de emprego recua em março para menor nível desde agosto de 2020

A melhora do mercado nos próximos meses depende de uma recuperação mais forte da atividade econômica

2 min