Uso de criptomoedas em atividades ilícitas alcança recorde de US$ 14 bi

Mas a proporção de atividades ilícitas feitas com criptoativos em relação ao total do segmento caiu

Foto: Pixabay

Criminosos usaram uma quantia recorde de criptomoedas para fins ilícitos em 2021, mas o crescimento dos mercados de ativos digitais como um todo superou o aumento do número de golpes. A quantidade de criptomoedas enviadas para endereços que têm ligações conhecidas com grupos criminosos disparou para um recorde de US$ 14 bilhões no ano passado, mais do que o dobro em relação a 2020, de acordo com uma pesquisa da empresa de dados Chainalysis.

Golpes, “ransomware” e roubos aumentaram 79%, em termos de dólares, no ano passado, mas o mercado como um todo teve uma expansão de 550%, com US$ 15,8 trilhões em criptomoedas negociados em 2021. Isso significa que a proporção de atividades ilícitas com relação ao total caiu para o nível mais baixo de sua história.

“As tendências anuais sugerem que… o crime está se tornando uma parte menor do ecossistema das criptomoedas”, escreveu Kim Grauer, diretor de pesquisa da Chainalysis, em seu relatório.

“Como o crescimento do uso de criptomoedas em atividades legítimas ultrapassou em muito o crescimento do uso para ações criminosas, a proporção da atividade ilícita no volume de transações com criptomoedas, de 0,15%, nunca esteve tão baixa”, acrescentou Grauer. Em seu estudo anterior, a Chainalysis estimou que 0,34% das transações com criptomoedas tinham motivações ilegítimas.

Apesar dessa tendência, os mercados de criptomoedas continuam a ser de alto risco para os investidores. Golpes que envolvem criptomoedas custaram aos investidores US$ 7,8 bilhões no total e cerca de US$ 3,2 bilhões em criptomoedas foram roubados em 2021, um aumento de 516% em relação ao ano anterior. Em janeiro, endereços ilícitos detinham mais de US$ 10 bilhões em criptomoedas, no cálculo da Chainalysis.

Os órgãos de segurança e as agências reguladoras tornaram-se mais eficientes no combate a crimes que envolvem bitcoins e outras criptomoedas, mas ainda têm dificuldades para acompanhar os novos mercados, como o de finanças descentralizadas (DeFi, sigla em inglês), que apresentam oportunidades para criminosos lavarem e roubarem dinheiro.

Mais de US$ 100 bilhões de recursos estão ligados aos mercados de DeFi, onde os algoritmos controlam todas as transações e não há interação humana entre as partes. O crescimento desse espaço no ano passado se quintuplicou e proporcionou um terreno muito propício para roubos e golpes como os “rugpulls” (puxadas de tapete), em que os golpistas convencem investidores a colocarem dinheiro em um novo token e depois desaparecem com os recursos.

No ano passado, esses golpes custaram aos investidores US$ 2,8 bilhões. O roubo também se proliferou: o equivalente a cerca de US$ 2,2 bilhões foi roubado dos espaços de DeFi, um aumento de 1.330% em relação a 2020. Um exemplo foi o uso de brechas no sistema da Polygon Network para roubar US$ 600 milhões, que depois foram devolvidos pelo hacker apelidado de Mr. White Hat.

A Elliptic, outra empresa especializada em dados sobre criptomoedas, calculou em novembro que os investidores perderam US$ 12 bilhões em recursos nos mercados de DeFi no ano passado. “À medida que a DeFi continuou a crescer, seu problema com recursos roubados também aumentou… E observamos ainda um crescimento significativo no uso de protocolos de DeFi para lavagem de recursos ilícitos”, acrescentou o relatório apresentado pela Chainalysis.


Você também pode gostar
Valor Econômico Atualizado em 15.maio.2022 às 07h37
Caso Terra aumenta preocupação de reguladores com ‘stablecoins’

Episódio ampliou temor com o risco de contágio entre setor, que movimenta de US$ 180 bi, e mercados tradicionais

Manhã Inteligente Publicado em 13.maio.2022 às 11h41
Fuga dos estrangeiros na B3, queda das criptomoedas, previsão do PIB

O Manhã Inteligente desta sexta (13), fala sobre a debandada de investidores estrangeiros da B3, a melhora na projeção do PIB e a queda generalizada das criptomoedas

Redação IF Publicado em 13.maio.2022 às 10h50
Bitcoin se recupera e volta a valer mais de US$ 30 mil

Melhora nesta sexta vem após abalo no mercado de criptomoedas

Diogo Rodriguez Atualizado em 09.maio.2022 às 17h06
O que dá para comprar com criptomoedas?

Hoje em dia, é possível comprar comida e ingressos para o cinema com as moedas digitais

Redação IF Atualizado em 09.maio.2022 às 07h08
Bitcoin atinge menor preço desde janeiro

Veja o que derruba a principal criptomoeda do mercado

Manhã Inteligente Publicado em 28.abr.2022 às 11h49 Duração 15 min.
Ganhos de mineração e siderurgia, regulação de criptomoedas no Brasil, PIB dos EUA

No Manhã Inteligente desta quinta (28), Isabella Carvalho e Victor Vietti falam sobre os setores de mineração e siderurgia, a regulação das criptomoedas no Brasil e o PIB dos EUA