Surpresa no 4º tri não muda visão de economia estagnada em 2022, dizem Citi e XP

Política monetária e guerra na Ucrânia devem contribuir para desaquecimento da atividade no ano

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O resultado melhor do que o esperado do PIB brasileiro no quarto trimestre de 2021 não muda a vida do Citi de que a economia ficará praticamente estagnada daqui para frente, “na melhor das hipóteses”, diz a equipe em relatório.

O Citi esperava contração de 0,1% da atividade no último trimestre do ano passado, em relação aos três meses imediatamente anteriores, mas o dado oficial foi um crescimento de 0,5%. A mediana da pesquisa do Valor indicava alta menor, de 0,2%.

O resultado trimestral foi favorecido pelo desempenho da demanda doméstica, especialmente do consumo das famílias (0,7%) e do governo (0,8%), bem como dos serviços (0,5%) e da agropecuária (5,8%) do lado da oferta, destaca o Citi.

“Olhando para o futuro, além dos ventos contrários mais fortes provenientes da política monetária mais apertada, os acontecimentos recentes estão enfraquecendo alguns fatores importantes para a atividade, como o potencial desempenho mais forte do setor agrícola e as expectativas sobre uma melhora de curto prazo da atual interrupção da cadeia de suprimentos global”, aponta o relatório.

Além da recente revisão para baixo na safra de soja feita pelo IBGE (-2,3% neste ano em relação a 2021, segundo o banco), a escalada do conflito Rússia-Ucrânia pode prolongar/agravar as interrupções na cadeia de suprimentos por mais tempo e prejudicar ainda mais o desempenho do setor agropecuário ao longo deste ano, por meio do risco de escassez de fertilizantes, afirmam.

Assim, embora a subestimação do PIB no quarto trimestre de 2021 pudesse implicar uma revisão para cima na projeção para 2022, os desdobramentos mencionados deixam o Citi confortável com sua estimativa de crescimento abaixo do consenso, de -0,3%, para este ano. A pesquisa do Valor aponta alta de 0,3%.

A XP tem uma visão semelhante. Apesar do “suspiro de alívio” com o PIB de volta ao terreno positivo no quarto trimestre de 2021, a corretora afirma continuar vendo uma atividade estável em 2022.

O resultado do fim do ano passado deve deixar uma “herança estatística” de 0,3 ponto percentual para 2022, segundo a XP. Já o rastreador de alta frequência para a variação do PIB do primeiro trimestre de 2022 está atualmente em 0,4%, na margem, segundo a corretora. Os próximos trimestres, no entanto, deverão apresentar retração da atividade doméstica, diz a XP, mantendo a expectativa de um PIB estável em 2022.

“O maior efeito estatístico do PIB do final de 2021 combinado com as estimativas de avanço no primeiro trimestre de 2022 daria um viés positivo à nossa projeção de estabilidade do PIB este ano. No entanto, a grande escalada da crise Ucrânia-Rússia suporta uma postura cautelosa em relação às perspectivas de crescimento econômico neste ano”, diz a XP em comentário a clientes.

Embora alguns setores domésticos possam se beneficiar do cenário de nova alta dos preços das commodities, afirma, o aumento da aversão ao risco global e o potencial de piora das condições financeiras, problemas adicionais na cadeia de suprimentos e inflação ainda mais alta – portanto, menor renda real das famílias – levam a casa a manter a projeção de taxa de crescimento nula para o PIB de 2022.

A XP pondera que a alta de 5,8% da agropecuária no quarto trimestre do ano passado, em relação aos três meses imediatamente anteriores, deve ser vista “com cautela”, por causa da baixa base de comparação (o setor caiu 7,4% no terceiro trimestre).

Dentro da indústria, que recuou 1,2% nos três últimos meses de 2021, na margem, um destaque positivo foi a construção civil, que cresceu 1,5%, marcando o sexto ganho consecutivo, observa a XP. “Esse resultado foi a grande surpresa em relação à composição do PIB do quarto trimestre de 2021, pois esperávamos um recuo de cerca de 1%”, diz.

Com Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Valor Econômico Atualizado em 08.jun.2022 às 08h40
Entenda por que os bancos evitam dar recomendações sobre a operação da Eletrobras

Há poucas opiniões de grandes bancos e corretoras sobre a tese de investimento na estatal. Prazo de reserva termina amanhã. Confira o Guia IF Privatização da Eletrobras

4 min
Redação IF Atualizado em 08.jun.2022 às 08h31
Secretária do Tesouro dos EUA diz que inflação deve continuar alta, e que baixá-la deve ser prioridade

Em audiência no Senado, secretária Janet Yellen pediu que senadores aprovem medidas para conter a inflação

3 min
Leonardo Guimarães Publicado em 07.jun.2022 às 14h56
Qual é a relação entre o PIB e os fundos imobiliários?

O investidor de FIIs deve se preocupar com o crescimento da economia

4 min
Redação IF Atualizado em 08.jun.2022 às 08h31
Jefferies recomenda compra e sobe preço-alvo das ADRs da Vale

Banco vê mineradora se beneficiando da recuperação da demanda chinesa

1 min
Isabella Carvalho Atualizado em 09.jun.2022 às 15h09
O IPCA está em tudo: saiba como funciona o principal índice de inflação

Calculado mês a mês, indicador impacta suas contas e seus investimentos

4 min
Redação IF Atualizado em 08.jun.2022 às 08h31
Citigroup planeja contratar 4 mil funcionários de tecnologia para ‘explosão digital’

Mais de 1 mil dos recrutados se juntarão à equipe de tecnologia, diz executivo do banco

2 min
Redação IF Atualizado em 08.jun.2022 às 08h36
4 min
Redação IF Atualizado em 08.jun.2022 às 08h40
Migrar FGTS de Vale e Petrobras para a privatização da Eletrobras faz sentido?

Se você colocou suas economias em papéis da Vale e da Petrobras agora pode migrar para a estatal de energia. É uma boa troca?

4 min