Seguro do carro para jovens pode custar quase o dobro, aponta índice

Estudo realizado pela insurtech TEx mostra que quanto mais velho o modelo do veículo, mais cara a cobertura

Foto: Pexels

O Índice de Preços do Seguro Automóvel (IPSA), desenvolvido pela insurtech TEx, mostrou que a taxa de cobertura cobrada dos motoristas encerrou 2021 estável. O estudo aponta a variação mensal dos preços do seguro auto de acordo com gênero, região, faixa etária e idade do veículo.

De acordo com o IPSA, na avaliação geral de 2021, entre janeiro e agosto foi observada uma queda progressiva na taxa dos seguros. O movimento foi interrompido em setembro, quando a taxa se estabilizou em torno de 5% – percentual mantido em outubro e novembro.

“Durante o ano passado tivemos pouca variação do IPSA, mantendo sempre a média de 5%. Vale destacar que iniciamos janeiro com o índice em 5,6% e finalizamos o ano tendo o índice em 5,3%, em dezembro”, observa Genildo Dantas, gerente de inteligência de dados da TEx.

O levantamento da empresa de tecnologia voltada para o mercado de seguros também traz informações quanto a evolução dos valores por gênero. Em dezembro, o valor do seguro para o sexo masculino teve uma alta, indo de 5,3% em novembro para 5,6%. Já o feminino, teve ligeira queda de 4,9% para 4,8%. O valor final do seguro segue mais caro para os homens, uma vez que há maior reincidência em acidentes graves e com perda total do veículo.

O IPSA ainda destaca dados por faixa etária. Em dezembro, houve um crescimento generalizado, exceto para pessoas de 46 a 55 anos – em que o índice permaneceu em 4,9%. Os nascidos entre 1990 e 2014, da chamada geração Z, podem pagar quase o dobro (7,6%) do que os nascidos entre 1943 e 1964, conhecidos como Baby Boomers (4,2%).

“Essa diferença acontece por conta da pouca experiência e comportamento na direção das pessoas mais novas, o que torna mais recorrentes alguns tipos de sinistros, fazendo com que o seguro seja acionado mais vezes comparado às pessoas mais experientes”, esclarece o executivo.

A região em que o segurado reside também é um dos fatores analisados para precificação dos seguros. Cidades que possuem de 5 a 10 mil habitantes pagaram menos no valor do seguro auto em dezembro, com uma média de 4,2%. Já cidades com 100 a 500 mil habitantes pagaram o maior valor do índice, em torno de 5,5%.

Analisando apenas a tabela FIPE, o IPSA revela que em dezembro houve uma queda da taxa do seguro para os veículos entre R$ 10 e R$ 30 mil, que havia crescido de forma expressiva em novembro, passando de 9,7% (novembro) para 8,8% (dezembro).

Outros fatores que interferem nos preços dos seguros são a idade do veículo e a quantidade de quilômetros rodados. O estudo aponta que o valor do seguro para um carro usado, de seis a dez anos, custa quase o dobro de um zero quilômetro.


Você também pode gostar
Henrique Silva Publicado em 20.maio.2022 às 16h51
Dinheiro deve ser assunto logo no primeiro encontro?

Caso da jornalista que recebeu planilha de gastos do "date" tem muito a ensinar

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

Gustavo Zanfer Atualizado em 21.maio.2022 às 07h43
Como montar uma carteira de longo prazo?

É difícil, mas é importante ter uma estratégia financeira para daqui a alguns anos

Listas IF Atualizado em 18.maio.2022 às 17h29 Duração 1 min.
Pense bem antes de gastar no cartão de crédito

O que você pode fazer para gastar com sabedoria (e sem afobação)? Maju Marques dá quatro dicas para cuidar do seu dinheiro

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 16h08
Por dentro de uma reunião dos devedores anônimos

Irmandade ajuda as pessoas a se livrarem do vício das compras