Retração do PIB e inflação acima da meta: as projeções do Itaú para 2022

Já a Selic deve chegar a 11,75% e permanecer em patamar elevado ao longo do próximo ano

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Em relatório divulgado nesta sexta-feira (17), o Itaú Unibanco reforçou a expectativa de que o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro irá cair 0,5% em 2022. “Principalmente devido à contração esperada na demanda agregada decorrente do aumento de juros”, destaca o banco. “O primeiro trimestre de 2022 se beneficiará de um crescimento forte e pontual do PIB agropecuário, mas esperamos contração do PIB nos trimestres subsequentes”, acrescenta o texto.

No cenário para a inflação do ano que vem, o Itaú também manteve a projeção de uma alta de 5% para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). O resultado, se confirmado, ficará acima da meta do Banco Central, de 3,5%. “A inflação deve se manter em patamar pressionado também ao longo do primeiro trimestre de 2022, impactada principalmente pelos reajustes típicos desse período, como é o caso de ônibus urbano e mensalidades escolares”, aponta o relatório. “Esperamos que a variação em 12 meses do IPCA oscile ao redor de 10% até o mês de maio, com recuo mais consistente apenas a partir da metade do ano”.

A Selic, na avaliação do Itaú, deve passar da taxa atual de 9,25% para 11,75% ao ano. “Com altas de 1,5 ponto percentual em fevereiro e 1 ponto percentual em março”, considera o banco. “Acreditamos que esse patamar de juros será mantido ao longo de 2022”.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

1 min
Manhã Inteligente Publicado em 17.maio.2022 às 11h57
Banco Central e Selic, abertura de capital, novela Musk e Twitter

Isabella Carvalho e Victor Vietti falam sobre os principais assuntos que podem afetar seus investimentos nesta terça (17)

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

4 min