Rendimento do Tesouro de 10 anos dos EUA atinge 3% pela primeira vez desde 2018

Os preços dos títulos do Tesouro e títulos corporativos nos EUA caíram com expectativa de reunião do Fed

Foto: PIxabay

Nos Estados Unidos, a pior queda de títulos em décadas atingiu um novo marco nesta segunda-feira (2), com o rendimento do Tesouro de 10 anos atingindo 3% pela primeira vez desde o final de 2018.

O rendimento da nota de referência de 10 anos do Tesouro, que sobe quando os preços dos títulos caem, ultrapassou o nível de 3% antes da reunião do banco central dos EUA, o Federal Reserve (Fed) desta semana, negociando recentemente em 3,002%, segundo a Tradeweb. Referência para o custo de empréstimos, desde hipotecas a empréstimos estudantis, o rendimento fechou acima de 3% em novembro de 2018 e saltou de 1,496% no final do ano passado.

Os preços de títulos do Tesouro e dos títulos corporativos caíram este ano em resposta às medidas do Fed para aumentar as taxas de juros, em um esforço para conter a inflação. O índice de títulos da Bloomberg U.S. Aggregate – principalmente títulos do Tesouro dos EUA, títulos corporativos altamente cotados e títulos lastreados em hipotecas – teve um retorno negativo de 9,5% este ano na sexta-feira (29).

Os rendimentos dos títulos do Tesouro refletem amplamente as expectativas dos investidores em relação às taxas de juros de curto prazo ao longo da vida de um título. Os rendimentos crescentes são frequentemente associados a um fortalecimento da economia, porque um crescimento mais rápido e um mercado de trabalho mais apertado podem levar os bancos centrais a reprimir a inflação.

O que se vê agora nos EUA é o mercado de trabalho extremamente apertado. Além disso, a inflação está em seu ritmo mais acelerado em décadas. Com isso, o Fed vem sinalizando uma rápida série de aumentos nas taxas de juros, provocando uma alta acentuada nos rendimentos dos títulos.

É improvável que os investidores obtenham muito alívio até que as preocupações com a inflação diminuam, um curinga quando os surtos de Covid-19 na Ásia estão pressionando as cadeias de suprimentos globais e a guerra na Ucrânia está elevando os preços das commodities.

Autoridades do Fed aumentaram as taxas de juros em um quarto de ponto percentual em março. A última ata da reunião de política monetária do Fed sugere que o banco central pode aumentar as taxas em meio ponto percentual na quarta-feira (4), e começar a reduzir sua carteira de ativos de US$ 9 trilhões.

Os rendimentos do Tesouro de dez anos ficaram bem acima de 3% na maior parte do último meio século, ultrapassando 15% na década de 1980, de acordo com Ryan ALM & Tradeweb ICE. Mas na última década eles terminaram o dia acima de 3% apenas 64 vezes.

Com agências.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h34
Bolsas europeias e futuros de NY têm alta moderada, antes da ata do Fed

À espera do documento, no pré-mercado em NY, o futuro do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%

Valor Econômico Publicado em 25.maio.2022 às 07h36
Após nova troca, ações da Petrobras caem

Investidor volta a analisar peso político, mas efeito na bolsa foi limitado por ativo ser considerado barato

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 19h58
‘Travamos o bom combate’, disse Coelho, por WhatsApp, em mensagem de despedida

Funcionários relatam clima de falta de rumo com demissão de José Mauro Coelho; indicado para o posto é Caio Paes de Andrade

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h18
ADRs da Petrobras recuam 3,8% em NY com troca no comando e data de corte de dividendos

Os recibos de ações (ADRs) referenciados nas ações ordinárias da Petrobras fecharam em queda de 3,80% na bolsa de Nova York

Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões