Pílula da Pfizer contra a Covid-19 é aprovado nos EUA

FDA autorizou o uso da pílula no tratamento de recém-infectados

Remédio da Pfizer contra o coronavírus é liberado para uso nos EUA (Foto: Bebeto Matthews/AP Photo)

A FDA (Food and Drug Administration, órgão regulador de saúde pública dos Estados Unidos) autorizou o uso do remédio Paxlovid, da Pfizer, contra a Covid-19 em pacientes recém-infectados. A pílula poderá ser tomada em casa para prevenir a evolução do caso e eventuais hospitalizações. Ela pode ser receitada a pacientes a partir de 12 anos.

Segundo a FDA, o Paxlovid é eficaz e seguro e deve desempenhar um importante papel na redução de internações e mortes pelo coronavírus em um cenário de aumento de casos entre vacinados pela variante ômicron. Porém, ainda não existem estudos apontando a eficácia do medicamento contra a nova variante.

A Pfizer afirma que testes de laboratório indicaram que o Paxlovid também deve funcionar contra a ômicron dada a maneira como o remédio age no organismo. Ele impede que o vírus se espalhe ao bloquear uma enzima chamada protease. Segundo dados da farmacêutica, o Paxlovid reduz o risco de hospitalização e morte em aproximadamente 89% das pessoas com alto risco de desenvolver a forma grave da Covid-19.

O Paxlovid estará disponível ao uso nos EUA já nos próximos dias, de maneira limitada. A Pfizer agora trabalha para ampliar a produção. Segundo a empresa, devem ser enviadas dezenas de milhares de doses aos EUA nas próximas semanas e centenas de milhares em 2022.

O governo americano já comprou 10 milhões de doses que serão entregues até o final de 2022 por um custo de US$ 5,29 bilhões.

A projeção da Pfizer é produzir 120 milhões de doses do Paxlovid em 2022. Segundo estimativas do mercado, ac companhia pode chegar a US$ 18 bilhões com as vendas do remédio no próximo ano.

Para ampliar o acesso ao remédio, a Pfizer licenciou a fórmula para que fabricantes de genéricos também possam fabricá-lo.

Apesar da liberação nos EUA, ainda existem questionamentos sobre a segurança do Paxlovid. O remédio deve ser administrado em combinação com o ritonavir, que pode causar efeitos colaterais em certos pacientes que usam remédios para o coração e contra o colesterol. Ele também deve ser evitado em casos de função renal ou hepática gravemente reduzida e em grávidas.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 08h18
Elon Musk se reúne nesta sexta-feira com Bolsonaro e empresários

Segundo ministro das Comunicações Fábio Faria, objetivo é discutir conectividade e proteção da Amazônia com o governo brasileiro

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 17h39
Juros futuros fecham em forte queda, com expectativas de inflação no foco

Mercado vê que a inflação pode ser impactada por possível alíquota máxima de 17% do ICMS cobrado sobre energia, telecomunicações, combustíveis e energia

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 18h15
Trabalhador poderá usar até 50% do saldo do FGTS na privatização da Eletrobras

Valor mínimo do investimento é de R$ 200. Governo estabeleceu R$ 6 bilhões como teto global para uso do Fundo, o que pode reduzir percentual que cada trabalhador poderá investir