Probabilidade de recessão nos EUA dispara com aumento da inflação

Levantamento do jornal 'The Wall Street Journal' aponta um cenário turbulento para a maior economia do mundo

Foto: Pixabay

Economistas aumentaram drasticamente a probabilidade de uma recessão nos Estados Unidos, para 44% nos próximos 12 meses. É um nível geralmente visto apenas à beira ou dentro de uma recessão, conforme levantamento do jornal “The Wall Street Journal”.

A chance de uma recessão aumentou rapidamente este ano, pois as pressões inflacionárias permaneceram fortes e o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) tomou medidas cada vez mais agressivas para domá-las. Em média, os economistas estimam a probabilidade de a economia entrar em recessão em algum momento dos próximos 12 meses em 28% na última pesquisa, em abril, e em 18% em janeiro.

Desde que o jornal americano começou a fazer a pergunta em meados de 2005, uma probabilidade de 44% raramente é vista fora de uma recessão real. Em dezembro de 2007, mês em que começou a recessão que foi até 2009, os economistas atribuíram uma probabilidade de 38%. Em fevereiro de 2020, quando a última recessão começou, eles atribuíram uma probabilidade de 26%.

Os economistas consultados aumentaram a possibilidade de recessão devido a vários fatores: custos de empréstimos mais altos, um ritmo acelerado de inflação, problemas na cadeia de suprimentos e choques nos preços das commodities decorrentes da guerra na Ucrânia. Principalmente, no entanto, eles veem chances fracas de que um caminho mais acentuado de aumentos de juros pelo Fed possa esfriar a inflação sem levar a maior desemprego e a uma desaceleração econômica.

“O Fed está pisando no freio. É difícil evitar uma recessão… nesta situação”, disse Michael Moran, economista-chefe da Daiwa Capital Markets America Inc.

Os resultados da última pesquisa mostraram um aumento acentuado na previsão dos economistas para a inflação, que eles veem encerrando o ano em 7%, ante 5,5% na pesquisa de abril. A pesquisa com 53 economistas foi realizada de 16 a 17 de junho, depois que o Fed decidiu em 0,75 ponto percentual, para um intervalo entre 1,5% e 1,75%.

Economistas veem a taxa de juros em cerca de 3,3% no final deste ano, acima dos 2% da pesquisa de dois meses atrás. Isso implica pelo menos mais três aumentos de 0,5 ponto percentual em 2022. O Fed sinalizou que continuaria elevando as taxas este ano no ritmo mais rápido em décadas para combater a inflação que está na maior alta em 40 anos.

“Acreditamos agora que a economia dos EUA está caminhando para uma recessão leve nos próximos meses”, disse Greg Daco, economista-chefe da empresa de consultoria EY-Parthenon. “Enquanto os consumidores continuarão a gastar livremente em lazer, viagens e hospitalidade durante o verão, um cenário de inflação persistentemente elevada, taxas de juros crescentes e preços de ações em queda irão corroer o poder de compra, reduzir severamente a atividade habitacional e restringir o investimento e a contratação de negócios.”

Economistas esperam que o desemprego aumente à medida que o Fed eleve as taxas, embora o vejam permanecendo em níveis relativamente baixos em comparação histórica. Em média, eles prevêem que o desemprego aumente de 3,6% em maio para uma média de 3,7% no final de 2022 e 4,2% no final de 2023.

Um ponto positivo é que os economistas ainda esperam que a economia cresça este ano, embora tenham reduzido sua projeção de crescimento pela metade na pesquisa mais recente. Em média, eles veem o Produto Interno Bruto (PIB) ajustado pela inflação subindo 1,3% no quarto trimestre de 2022 em relação ao ano anterior, ante 2,6% na pesquisa de abril. No ano passado, a economia cresceu 5,5%, o mais rápido desde 1984, após uma queda de 2,3% em 2020, quando a pandemia começou.

Dados recentes sugerem que a economia dos EUA está começando a desacelerar sob o peso combinado da inflação crescente e das taxas de juros – incluindo as taxas de hipoteca mais altas desde 2008.

Economistas reduziram suas projeções para o crescimento do PIB no segundo trimestre nos últimos dias. Um modelo observado de perto – o rastreador GDPNow do Federal Reserve de Atlanta – estima que o indicador deve permanecer inalterado a uma taxa anual ao longo dos três meses até 30 de junho. A produção caiu a uma taxa anual de 1,5% no primeiro trimestre.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 14h23
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 10h53
Inflação com consumo nos EUA sobe 0,6% em maio; ativos domésticos são pressionados pelo cenário mais adverso no exterior

O Ibovespa tem forte queda enquanto o dólar opera em alta ante o real no início desta quinta-feira

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 10h21