Petrobras aumenta preço do litro de diesel em 8,87%, de R$ 4,51 para R$ 4,91

Aumento passa a valer a partir desta terça-feira

Foto: Diego Vara/Reuters

Após quase 60 dias, a Petrobras anunciou nesta segunda-feira (9) um reajuste do preço do diesel vendido em suas refinarias. O aumento para as distribuidoras, que vale a partir desta terça-feira (10), será de 8,87%, de R$ 4,51 para R$ 4,91 por litro. Os preços da gasolina e do GLP foram mantidos pela companhia.

A empresa justifica que com o reajuste “segue outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda acompanhando os preços de mercado”. “Esta decisão observou tanto o desalinhamento nos preços quanto a elevada volatilidade no mercado”, apontou em nota a companhia.

O novo aumento também foi explicado por um risco de desabastecimento do produto. “Importante reforçar que nossas refinarias já estão operando próximo do seu nível máximo (fator de utilização de 93% no início de maio), considerando as condições adequadas de segurança e de rentabilidade, e que o refino nacional não tem capacidade para atender toda a demanda do país. Dessa forma, cerca de 30% do consumo brasileiro de diesel é atendido por outros refinadores ou importadores”, apontou a Petrobras. “Isso significa que o equilíbrio de preços com o mercado é condição necessária para o adequado suprimento de toda a demanda, de forma natural, por muitos fornecedores que asseguram o abastecimento adequado”, completou no comunicado.

Impacto no bolso

Além do efeito direto no orçamento de quem tem veículo movido a diesel, André Braz, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre), explica que a disparada do combustível contribui para encarecer produtos e serviços. “Afeta toda a cadeia produtiva, o transporte rodoviário, o transporte nos grandes centros urbanos, já que pode pressionar o preço das passagens. Afeta ainda a produção de energia, já que o diesel é usado nas termelétricas. Tem um efeito indireto que é devastador para a inflação”, diz.

Um dos impactos mais “perversos”, na avaliação do economista, é no frete rodoviário, que acaba puxando a alta de alimentos “Nada chega nas cidades sem transporte e quanto menor é o valor do bem, maior tende a ser a influência do diesel no preço. Por exemplo, se você vai em uma feira livre, com itens de baixo valor, o aumento do frete vai acabar influenciando no encarecimento de frutas e hortaliças”, destaca Braz.

Mais aumento no radar?

O Brasil pode sofrer um desabastecimento de diesel no fim do ano caso a Petrobras não acelere o ritmo de reajustes do combustível para retomar a paridade com os preços internacionais, diz o UBS BB. Os analistas Luiz Carvalho, Matheus Enfeldt e Tasso Vasconcellos escrevem que a forte presença da Rússia na produção do diesel aumentaram os preços do combustíveis, elevando os spreads, em meio às preocupações de redução na oferta.

Em relatório, conforme o Valor PRO, eles relatam que agentes do mercado já vêm demonstrando preocupação com desabastecimento, principalmente em postos de combustíveis sem bandeira. As grandes distribuidoras continuarão importando diesel e repassando custos.

No entanto, o banco acredita que o cenário pode ficar mais desafiador e praticamente impossível para importadoras independentes caso a paridade se mantenha negativa até o início do inverno europeu, aumentando possibilidades de desabastecimento em algumas localidades no Brasil.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 09h50
Petróleo sobe com redução dos bloqueios na China

Nesta manhã, o petróleo Brent e o West Texas Intermediate (WTI) sobem perto de 1%

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h22
Governo mexe na tabela do frete para conter insatisfação de caminhoneiros

Presidente editou medida provisória reduzindo de 10% para 5% o gatilho que permite revisão da tabela

JOTA Atualizado em 14.maio.2022 às 06h53
ANÁLISE: Bolsonaro tenta se blindar de desgaste político causado por aumento no diesel

Presidente resolveu lançar mão de um pacote de medidas políticas para fazer frente à alta dos combustíveis

Valor Econômico Publicado em 13.maio.2022 às 09h00
Os preços da gasolina e do diesel vão cair se a Petrobras for privatizada?

Entenda os impactos que uma eventual privatização da Petrobras teria no mercado brasileiro de combustíveis

Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 07h50
Parecer do Cade sobre Petrobras pode ajudar governo a cortar até 15% no preço de diesel e gasolina

Decisão do órgão de defesa da concorrência pode permitir alinhar preços da estatal aos custos de exportação de combustíveis em vez dos de importação