Para barrar Elon Musk, Twitter adota ‘pílula de veneno’. Entenda a estratégia

CEO da Tesla, maior acionista da empresa, fez nesta semana uma oferta para comprá-la por US$ 43 bilhões

Elon Musk tem fortuna avaliada em US$263 bilhões. Deve conquistar seu primeiro trilhão em 2024, aos 52 anos
Elon Musk tem fortuna avaliada em US$263 bilhões. Deve conquistar seu primeiro trilhão em 2024, aos 52 anos

O Twitter adotou ontem a chamada “pílula de veneno”, a fim de limitar a capacidade de Elon Musk de ampliar sua fatia na rede social. Esta semana, o homem mais rico do mundo fez uma oferta de US$ 43 bilhões pela empresa.

A “pílula de veneno”, cujo nome formal é plano de direitos dos acionistas, acaba por diluir a participação de qualquer um que obtenha mais de 15% de uma empresa, por meio da venda, com desconto, de papéis aos demais acionistas. A pílula de veneno terá validade por um ano.

Para o analista da Wedbush Dan Yves, a medida era previsível, mas não será bem vista pelos acionistas, devido à potencial diluição da participação deles.

O Twitter recorreu à estratégia para ganhar tempo, disse à agência Bloomberg uma pessoa com conhecimento do assunto. O Conselho de Administração quer, com isso, ser capaz de analisar e negociar qualquer acordo.

“O plano de direitos não impede que o conselho se envolva com partes ou aceite uma proposta de aquisição se acreditar que é do melhor interesse do Twitter e de seus acionistas”, afirmou a empresa em nota.

De acordo com o plano do Twitter, cada direito permitirá seu titular comprar, ao preço de exercício então vigente, ações adicionais de ações ordinárias com um valor de mercado então atual de duas vezes o preço de exercício do direito.

Na oferta enviada à empresa, arquivada pela SEC, Musk afirma que a proposta: “é um preço alto e seus acionistas vão adorar”.

Falando mais tarde na quinta-feira em uma conferência TED, Musk disse que não tinha certeza de que “seria realmente capaz de adquiri-lo”.

O bilionário acrescentou que sua intenção era também manter “o número de acionistas permitido por lei”, em vez de manter a propriedade exclusiva da empresa.

As ações do Twitter caíram 1,7% em Nova York nesta quinta-feira, refletindo a visão do mercado de que o acordo provavelmente seria rejeitado ou fracassado.

O “Wall Street Journal” informou anteriormente que a empresa com sede em São Francisco estava considerando as “pílulas de veneno” como estratégia de defesa.

Musk divulgou pela primeira vez sua participação no Twitter no dia 4 de abril, quando se tornou o maior investidor individual da companhia.

“Se o negócio não der certo, já que não tenho confiança na administração nem acredito que possa conduzir a mudança necessária no mercado público, precisarei reconsiderar minha posição como acionista”, disse Musk.

Com conteúdo do jornal digital O Globo


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 19h14
NY: Empresas de tecnologia recuperam perdas; ações de aéreas americanas fecham em alta

Dados positivos de vendas no varejo nos EUA e sinais de reabertura na China alimentam otimismo

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h48
Ação da Hapvida despenca 16% e lidera perdas do Ibovespa

Itaú BBA tem recomendação "outperform" para o papel, com preço-alvo de R$ 17 para o fim de 2022

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%