Operação padrão de auditores da Receita acende alerta para risco de desabastecimento de combustíveis

Tempo de espera para liberação de produtos como gasolina do exterior passa de dez dias

Foto: Marcelo Camargo / Marcelo Camargo

Reportagem da edição desta sexta-feira (7) do jornal O Globo destaca que a operação padrão dos auditores fiscais da Receita Federal já atrasa em mais de 10 dias a importação de combustíveis. A lentidão para liberar as mercadorias em alfândegas no país ocorre em protesto dos servidores pela regulamentação de um bônus de cerca de R$ 3 mil e contra a redução do orçamento do órgão para o governo dar aumento a policiais federais.

As empresas responsáveis pelo serviço no país avaliam que isso pode levar ao aumento nos preços dos produtos e ao risco de “desabastecimentos pontuais”. Os importadores relatam que os atrasos nas liberações provocam maior tempo de armazenamento dos produtos nos tanques dos terminais portuários, gerando aumentos nos custos de armazenagem, e pode fazer acabar o espaço para recebimento de futuros navios.

Além disso, as companhias observam que as refinarias nacionais não têm capacidade para atender 100% da demanda dos principais combustíveis derivados do petróleo, como gasolina e diesel, sendo necessária a importação de volumes “expressivos”. Outro argumento citado é o de que a Petrobras não tem acatado todos os pedidos de entregas realizados pelas distribuidoras de combustíveis, o que aumenta a necessidade de importação.

Com informações do jornal O Globo


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 09h50
Petróleo sobe com redução dos bloqueios na China

Nesta manhã, o petróleo Brent e o West Texas Intermediate (WTI) sobem perto de 1%

JOTA Publicado em 11.maio.2022 às 18h40
Novo ministro de Minas e Energia defende mais importação de biodiesel

Ex-secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida também é a favor da redução de mistura na gasolina e diesel

Redação IF Publicado em 06.maio.2022 às 09h55
Petróleo opera em alta, recebendo impulso da desvalorização do dólar no exterior

Petróleo tipo Brent, que é referência para os preços da Petrobras, avança mais de 2% e supera US$ 113 por barril

Valor Econômico Publicado em 05.maio.2022 às 09h05
Vem aumento? Alta do diesel acelera defasagem e eleva risco de desabastecimento

Petrobras está há 55 dias sem fazer reajustes de preços para o mercado interno, o que inibe importações por empresas de menor porte