O que esperar da inflação nos próximos meses? Depende de quem vencer a briga dos combustíveis, diz Itaú

Economistas do banco destacam cenário de 'elevada incerteza'

Foto: Gabriel de Paiva/Agência O Globo

A alta de 0,47% no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de maio veio abaixo das expectativas do Itaú Unibanco, que projetava uma taxa de 0,60% no mês. Em relatório assinado pelas economistas Julia Passabom e Luciana Rabelo, o banco destaca que houve uma “surpresa baixista em bens industriais, principalmente no item de higiene pessoal (tipicamente mais volátil) e etanol”. “A abertura de serviços também veio um pouco abaixo do esperado, em especial na parte de alimentação fora do domicílio”, acrescentam as especialistas.

Apesar do alívio nos preços em maio, o Itaú acrescenta que os núcleos inflacionários seguem pressionados. “A leitura de maio seguiu indicando inflação alta e disseminada, com índice de difusão próximo de 72%. Embora alta, a difusão veio um pouco abaixo daquela registrada no mês anterior (78,3%)”, observam Passabom e Rabelo. “Núcleos de industriais e serviços subjacentes aceleraram na comparação interanual (de 12,1% para 12,8% e de 7,7% para 8,2%, respectivamente)”, anotam.

Na projeção preliminar do banco, o IPCA está em 0,70% em junho, 0,57% em julho e 0,49% em agosto. As estimativas de curto prazo, no entanto, contam com “elevada incerteza”, indicam as economistas. O principal motivo é a pressão do governo para reduzir o preço dos combustíveis.

“Por um lado, temos o impacto de uma eventual aprovação da zeragem de impostos federais sobre gasolina e etanol, e da zeragem de cobrança de ICMS sobre diesel e GLP, o que pode levar a projeção do mês de julho para perto de zero ou até mesmo para ligeiramente negativa, por exemplo”, escrevem.

Mas há uma outra possibilidade no radar que embaralha a avaliação e pode inverter a tendência, levando a inflação para cima das atuais estimativas. “A defasagem do preço de combustíveis segue aumentando, o que eleva o risco de eventuais reajustes nas refinarias”, completam.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo