O que esperar da China e das exportadoras brasileiras em 2022?

Crise imobiliária e novos casos de Covid-19 devem impactar o crescimento chinês

Mina da Vale em Itabira (MG) (Foto: Janaina Duarte/Divulgação Vale)

O maior parceiro comercial do Brasil não é mais o mesmo. Ainda é a China, mas uma China diferente, que cresce menos e que tem mais ameaças à economia.

“A china não é a mesma de 2010, não esperamos uma aceleração [da economia], mas esperamos maior força a partir do segundo trimestre, dada as medidas adotadas pelo regulador chinês”, afirma Laura Pitta, especialista em China do Itaú BBA.

Nesta segunda (17), o Banco Central chinês (PBoC) cortou a taxa de empréstimo de médio prazo (MLP, na sigla em inglês), dando sequência à redução no custo do empréstimo de curto prazo (LPR) e do compulsório bancário (RRR), bem como o corte na taxa básica de juros, anunciados em dezembro.

A autoridade sinalizou que estímulos adicionais estão por vir. Segundo, analistas, porém, as medidas não são o suficiente para acelerar a atividade econômica do país, e sim apenas reduzir o impacto dos dois vilões chineses de 2022: a Covid-19 e a crise no setor imobiliário.

“A China ainda é tolerância zero com Covid-19, com amplas restrições em casos positivos e a Ômicron pode impactar a atividade chinesa”, diz Laura.

Analisando o PIB (Produto Interno Bruto) de 2021, o Itaú reduziu de 5,1% para 4,7% a previsão para o PIB de 2022. Além do impacto dos novos surtos de coronavírus no país, os últimos meses foram impactados pela forte desaceleração do setor imobiliário.

“O setor imobiliário representa um risco maior que a Covid-19. O setor como um todo está muito fraco e é um setor crucial para a economia chinesa”, afirma Laura.

Os dados do quarto trimestre apontaram manufatura forte e investimentos em ativos imobiliários, na construção especialmente, piores do que o esperado”, diz João Leal, economista da Rio Bravo Investimentos.

Segundo Leal, os estímulos monetários e fiscais que estão por vir podem melhorar o cenário. “2022 não será melhor que 2021, que foi bem positivo até o terceiro trimestre, mas será melhor do que imaginávamos. O preço do minério de ferro se recupera desde novembro e empresas de ferro e aço ainda vão se beneficiar das exportações para a China”

De acordo com Daniel Sasson, especialista em commodities do Itaú BBA, quase 80% da exportação de minério brasileiro vai para a China. No caso da celulose, este número fica ao redor de 45%. “É a china que move a agulha no setor de commodities em geral”, diz.

O banco tem uma visão positiva para as exportadoras neste ano, ainda que preveja resultados um pouco menores. “Ainda temos bons preços de commodities. Há a discussão se é um nível saudável e se eles podem cair e normalizar”, afirma Sasson.

O minério de ferro está na faixa de US$ 125 dólar a tonelada, bem abaixo do recorde de US$ 230 de maio passado, mas ainda elevado. “[Este nível] é super saudável para o setor, deixa a Vale confortável, com possibilidade de pagamento de dividendo aos acionistas” diz o analista.

Outro ponto favorável a exportadoras é a fraqueza do real ante o dólar em anos eleitorais.

No caso de siderúrgicas, que são mais dependentes da demanda no Brasil, há menos confiança. “Se a economia local desacelerar, como o Itaú estima, isso pode impactar a demanda [dessas empresas]”.

“2021 foi um ano recorde para empresas de commodity e em 2022 ainda terremos bons resultados, mas é um ano de transição. Gostamos bastante de Vale e de Suzano e, em siderurgia, da Gerdau, por ter mais diversificação geográfica, com quase metade do Ebitda fora do Brasil”, afirma Sasson.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 08h34
Cenário de recessão pode piorar mercado acionário nos EUA, alerta pesquisador

Noriel Roubini considera como 'perigosamente ingênua' a visão de analistas que a recessão será leve e de curta duração

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008