O que azedou a ida ao supermercado em 2021 com a alta da inflação

O açúcar refinado disparou 53,05% em 12 meses, enquanto o preço do limão caiu 18,50%

Foto: Pixabay

Pontos-chave

  • Cenário climático prejudicou a produção agrícola e teve um impacto forte nas proteínas
  • Mesmo com a melhora do quadro, há uma demora no repasse da queda dos preços aos consumidores

A inflação do Brasil vai fechar acima de 10% pela primeira vez desde 2015. A disparada dos combustíveis e o encarecimento da conta de energia foram os principais fatores que pressionaram os preços aos consumidores ao longo de 2021. Os alimentos também contribuíram para que os brasileiros sentissem no bolso os efeitos da perda de poder de compra.

A Inteligência Financeira já mostrou o reflexo nos custos do café da manhã e do prato feito. Agora, um levantamento do FGV IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas) destacou os dez alimentos que mais dispararam e os dez que mais recuaram nos últimos 12 meses, de acordo com o IPC-DI de novembro.

O topo da lista é ocupado pelo açúcar refinado, que saltou 53,05% em um ano. O maracujá (52,02%) aparece na sequência, com o filé mignon (39,07%) fechando o pódio do que ficou mais caro. Do lado negativo, a boa notícia veio das frutas: o preço do limão caiu 18,50%, o da maçã 16,30% e o da banana da terra recuou 11,05%.

“Boa parte da inflação que sofremos em 2021 é culpa do cenário climático que castigou a produção agrícola brasileira até meados de outubro, com um impacto forte nas proteínas, altamente dependentes do milho e da soja para compor sua alimentação”, observou o economista Matheus Peçanha, pesquisador do FGV IBRE. “Mesmo agora com a melhoria no cenário climático, há alguma demora no repasse da queda pela cadeia, além de outros custos que ainda impactam esse mercado, como o diesel em virtude do preço dos fretes”, completou.

Os vilões da inflação dos alimentos (variação em 12 meses)

Açúcar refinado (53,03%)
Maracujá (52,02%)
Filé-mignon (39,07%)
Café em pó (38,69%)
Alimentos preparados e congelados de carne bovina (33,71%)
Pimentão (31,68%)
Açúcar cristal (31,25%)
Frango em pedaços (28,68%)
Feijão-fradinho (25,97%)
Pá/paleta (25,57%)

Os mocinhos da inflação dos alimentos (variação em 12 meses)

Limão (-18,50%)
Maçã (-16,30%)
Banana da terra (-11,05%)
Arroz (-8,27%)
Banana nanica (-4,17%)
Feijão mulatinho (-2,02%)
Uva (-1,84%)
Pernil suíno (-1,27%)
Sucos de fruta (-0,66%)
Fígado bovino (-0,37%)


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h02
Prévia da inflação de maio deve elevar projeções para a Selic, avaliam economistas

Analistas do mercado consideram que ciclo de aperto monetário pode se estender mais um pouco

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

Redação IF Publicado em 23.maio.2022 às 09h16
Macy’s pode oferecer pistas sobre força dos gastos do consumidor nos EUA

Investidores monitoram pistas sobre o comportamento da inflação no país