Netflix cai 35% em NY, maior tombo em 18 anos

Nesta quarta-feira, as ações da Netflix fecharam com forte desvalorização na Nasdaq, em Nova York

Diante a perda de assinantes, número que deve cair mais no segundo trimestre, e incertezas em relação ao futuro, as ações da Netflix fecharam com forte desvalorização na Nasdaq, em Nova York, na maior queda percentual desde 2004.

Os papéis recuaram 35,12%, negociados a US$ 226,19, no menor valor de fechamento desde janeiro de 2018.

O volume financeiro somou US$ 132,2 milhões, mais de seis vezes o movimentado ontem e 1.500% acima da média de 65 dias.

Na quarta-feira, a plataforma de streaming divulgou os resultados no primeiro trimestre de 2022 reportando queda no número de assinantes entre janeiro e março e prevendo uma queda ainda maior entre abril e junho. Dado que assustou investidores.

“O que desanimou muito o mercado foi a perspectiva de aumentar o número de assinantes em 2,5 milhões no primeiro trimestre e, no entanto, houve perda de 200 mil. Além da previsão de perda de 2 milhões de assinaturas no próximo trimestre ante expectativa de 1,5 milhão de adições de assinaturas”, comenta o analista da Nord Research, Cesar Crivelli.

Com a forte perda na sessão, a Netflix tem desvalorização de mais de 62% em 2022.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%

1 min
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

3 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

3 min