Twitter lucra 7 vezes a mais no 1º trimestre

Companhia informa que a disparada no lucro líquido ocorreu por conta de efeitos da venda da desenvolvedora de softwares MoPub a AppLovin, por US$ 1,05 bilhão, realizada em fevereiro

Foto: Pixabay

O Twitter registrou lucro líquido de US$ 513,2 milhões no primeiro trimestre, sete vezes mais do que no mesmo período de 2021. A rede social somou receitas de US$ 1,2 bilhão, alta de 15,9% na comparação anual.

A companhia nota que a disparada no lucro líquido é por conta de efeitos da venda da desenvolvedora de softwares MoPub a AppLovin, por US$ 1,05 bilhão, completada em fevereiro.

Sem esses efeitos, a companhia teve prejuízo operacional de US$ 128 milhões, revertendo o lucro operacional de US$ 52 milhões no ano anterior. A margem operacional ficou negativa em 11%.

Receitas vindas de anúncios subiram 23% na comparação anual, a US$ 1,1 bilhão. Outras receitas caíram 31%, a US$ 94 milhões, por conta da saída dos resultados do MoPub do balanço.

A média de usuários diários do Twitter ficou em 229 milhões no primeiro trimestre, alta de 15,9% na comparação com o mesmo período de 2021. A média de usuários nos Estados Unidos subiu 6,4%, enquanto internacionalmente avançou 18,1%.

O Twitter também divulgou uma recontagem no número de usuários entre o quarto trimestre de 2020 e o quarto trimestre de 2021. A empresa diz que houve uma diferença para cima, que varia entre 1,4 milhão e 1,9 milhão de usuários, por conta de erro após atualização.

A companhia retirou todas as suas metas futuras em decorrência do processo de venda da companhia ao empresário Elon Musk. O Twitter também não vai realizar entrevista coletiva para comentar os resultados.

Há pouco, a ação do Twitter tinha alta de 0,66% no pré-mercado da Nasdaq, em Nova York.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente