Leilão do pré-sal arrecada R$ 11,1 bilhões; Petrobras fica com 2 campos em consórcio

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comemorou o resultado do leilão, porque recursos “reforçam o caixa” dos governos em momento de “fragilidade financeira”

Paulo Guedes, ministro da Economia. Foto: Agência Brasil

A Petrobras ficou com os campos de petróleo de Atapu e Sépia, localizados no pré-sal da Bacia de Santos, em consórcio com empresas privadas em leilão realizado nesta sexta-feira (17). A empresa desembolsará cerca de R$ 4,2 bilhões pelas duas áreas, em bônus de assinatura. O bônus de assinatura é o valor pago em dinheiro pelas empresas que arrematam áreas na licitação, são fixos e determinados no edital.

A arrecadação total do leilão realizado, nesta manhã, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis foi de R$ 11,14 bilhões, em bônus, dos quais R$ 7,7 bilhões serão repassados a estados e municípios. Ao todo, cinco empresas saíram vencedoras: Petrobras, TotalEnergies, Shell, Petronas e Qatar Petroleum. Todas elas já produzem no Brasil.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comemorou o resultado do leilão e destacou o aumento no número de participantes na disputa. “Pode ter havido mais recursos (em bônus de assinatura) na 1ª rodada (de leilões de áreas excedentes da cessão onerosa), mas considero a 2ª ainda mais importante. Teve aumento expressivo no número de participantes”, disse Guedes, que viajou ao Rio de Janeiro para acompanhar o leilão.

Segundo o ministro, os R$ 11,1 bilhões arrecadados em bônus de assinatura, que serão divididos com os Estados, são importantes porque “reforçam o caixa” dos governos em momento de “fragilidade financeira”.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 10h38
O que Elon Musk deve discutir na passagem pelo Brasil

Bilionário terá encontro com o presidente Jair Bolsonaro e empresários

Valor Econômico Publicado em 18.maio.2022 às 12h14
Entenda o que o governo faz com o lucro da Petrobras

Estatal destaca que o pagamento de dividendos é obrigatório em caso de lucro para qualquer empresa de capital aberto

Leonardo Guimarães Atualizado em 18.maio.2022 às 11h34
Duelo IF: JBS ou Marfrig, em qual investir?

Duas gigantes do setor de alimentos disputam a sua atenção como investidor