Juros, inflação e opções de petróleo: o combo do fundo Verde para navegar no cenário adverso

Fundo de Luis Stuhlberger fechou abril com ganho de 1,02%; no ano, valorização da cota supera 250% do CDI

Luis Stuhlberger lembra que o Brasil, que tinha se beneficiado de fluxos estrangeiros nos primeiros meses do ano, viu a reversão dessa tendência em abril
O time da Verde, de Luis Stuhlberger, lembra que o Brasil, que tinha se beneficiado de fluxos estrangeiros nos primeiros meses do ano, viu a reversão dessa tendência em abril — Foto: Naiara Bertão/Valor

O fundo Verde, de Luis Stuhlberger, fechou abril com ganhos de 1,02% e a cota já acumula no ano valorização de 8,22%, o equivalente a mais de 250% do CDI.

No último mês, os ganhos foram capturados com as posições tomadas em juros nos mercados desenvolvidos (aposta em alta das taxas), com inflação implícita no Brasil, com opções de petróleo e com hedges (proteções) em bolsa global. As perdas vieram da exposição em ações no mercado local.

Os bons resultados vieram a despeito do ambiente mais conturbado no Brasil e no exterior, o que só reforça que multimercados podem se valer tanto de cenários benignos quanto dos mais adversos para ganhar dinheiro para os investidores.

Conforme descreve a equipe de gestão na sua carta mensal, “o processo de aperto das condições financeiras globais seguiu inabalado em abril, derrubando praticamente todos os ativos de risco”.

A política de zero covid-19 da China levou o país a ditar o fechamento das atividades em algumas de suas maiores cidades, especialmente Shanghai, tornando a situação das cadeias de suprimento globais mais complexa, além de impactar o crescimento do mundo.

Esse mix vem num período em que os mercados se deparam com um ambiente de menor liquidez, o que contribui para um círculo vicioso afetando preços de ações, spreads de crédito, moedas, à exceção do dólar, e também commodities. “É um ambiente extremamente desafiador para se navegar.”

O time da Verde também lembra que o Brasil, que tinha se beneficiado de fluxos estrangeiros nos primeiros meses do ano, viu a reversão dessa tendência em abril. Isso levou à correção das ações e do real.

“Ainda que em grande medida o mercado local esteja passageiro da aversão a risco global, as notícias aqui também não colaboram, com renovadas discussões populistas à medida que o ciclo eleitoral se aproxima”, prossegue.

Para o principal multimercado da casa, o gestor começou a reduzir suas posições tomadas em juro nos EUA e em menor medida na Europa. A carteira segue comprada em inflação implícita no Brasil, e em petróleo via opções, enquanto as alocações em bolsa estão concentradas em ações brasileiras.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 19h36
Dow Jones sobe mais de 600 pontos; S&P 500 se afasta do território ‘Bear Market’

O S&P 500, índice de referência do mercado de ações nos EUA, avançou 1,9% nesta segunda-feira

Manhã Inteligente Publicado em 23.maio.2022 às 11h02
Dados da inflação, Fórum Econômico Mundial, preços dos combustíveis

Isabella Carvalho e Victor Vietti falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos

Redação IF Publicado em 23.maio.2022 às 10h47
Varíola do macaco: avanço da doença impulsiona ações de farmacêuticas

Presidente dos EUA, Joe Biden, alertou que todos precisam ficar atentos com a alta nos casos ao redor do mundo