EUA: Índice de preços ao consumidor subiu 6,2% em outubro

Essa é a maior taxa de inflação desde 1990

Foto: Pixabay

Pontos-chave

  • Essa é a maior taxa de inflação nos EUA desde 1990, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo Departamento de Trabalho
  • O governo e os funcionários do Fed, o banco central americano, têm afirmado que a inflação deve retroceder à medida que a economia voltar à normalidade com aumento da vacinação
  • As autoridades, no entanto, tiveram que revisar a rapidez com que isso pode acontecer

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI) nos EUA subiu a 6,2% em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, com a escalada dos custos com alimentos, gás e habitação. Essa é a maior taxa de inflação nos EUA desde 1990, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo Departamento de Trabalho.

O presidente Joe Biden reconheceu, em uma declaração feita hoje pela Casa Branca, o aumento de preços em curso, dizendo em um comunicado que “reverter essa tendência é uma prioridade.” O governo e os funcionários do Fed, o banco central americano, têm afirmado que a inflação deve retroceder em breve, à medida que a economia for retomando a normalidade, com o aumento da vacinação.

As autoridades, no entanto, tiveram que revisar a rapidez com que isso pode acontecer. As cadeias de suprimentos continuam desabastecidas e a demanda por produtos está se mantendo alta, ajudando a aumentar os preços.

À medida que os salários sobem em muitos setores, em meio à escassez de mão de obra, analistas apontam que há razões para esperar que algumas empresas cobrem mais de seus clientes para cobrir os crescentes custos de mão-de-obra. Os dados de outubro reforçam essa preocupação.

Os mercados reagiram ao aumento dos preços, com as ações caindo lentamente ao longo do dia. A Nasdaq fechou em queda de 1,7%. O Dow Jones caiu 0,7% e o S&P 500 caiu 0,8%. Na contramão das bolsas americanas, o principal índice da bolsa brasileira fechou o pregão aos 105.968 pontos, com avanço de 0,41% e giro financeiro de R$ 32 bilhões. Entre os setores, destaque para bancos – Bradesco teve a maior alta do dia.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira vendido a R$ 5,50, com leve alta de 0,1%. A cotação passou a maior parte do dia em queda, chegando a R$ 5,43 na mínima do dia, por volta das 11h. No entanto, a alta da inflação nos Estados Unidos puxou a moeda para cima no fim das negociações.

A divisa acumula queda de 2,59% nos dez primeiros dias de novembro. No ano, a moeda norte-americana registra alta de 5,99%.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 08h53
Bolsas europeias e futuros de NY são pressionados por dados fracos da China

A atividade econômica na China perdeu força de forma acentuada em abril

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 07h20
China: com lockdowns, produção industrial tem forte desaceleração em abril

Atividade recuou 2,9% na base anual; mercado esperava avanço de 1,0%

Valor Econômico Atualizado em 14.maio.2022 às 07h21
Autismo: o que Elon Musk, Anthony Hopkins e Greta Thunberg têm em comum e vai além do óbvio

Os cientistas ainda lutam para entender o processo que leva ao autismo, mas há avanços significativos para celebrar